Navigate / search

Témoignage de Jessica Lovely

Head Covering Testimonies

Nom : Jessica Lovely | Âge : 31 ans | Vient de : Gypsy, Kentucky | Se voile depuis : Été 2015



Jessica Lovely

1) Présente-toi à nos lecteurs.

Bonjour, je m’appelle Jessica Lovely. J’ai 31 ans et j’habite à Gypsy, dans le Kentucky, une petite communauté nichée dans les montagnes Appalaches. Tout respire la simplicité par ici. Mon mari est bûcheron et travaille dur pour subvenir à nos besoins. Je fais l’école à la maison pour nos quatre enfants, qui sont tous à des niveaux différents. J’aime énormément mon rôle d’épouse et de mère, Dieu m’a vraiment béni avec une merveilleuse famille. J’aime cuisiner pour ma famille et faire des balades le soir avec nos enfants et les chiens. Je fabrique ma propre lessive ainsi que des produits nettoyants et des déodorants faits maison, sans produits chimiques ! Par-dessus tout, et c’est le plus important, je suis une enfant dévouée de Dieu et je me sens particulièrement bénie les fois (comme maintenant) où Il me donne l’occasion de répandre l’Évangile.

2) Où vas-tu à l’église ? Dis-nous-en un peu plus sur ce sujet. Est-ce que d’autres personnes se voilent là-bas ?

C’est une bénédiction pour moi de faire partie de l’église Little Rachel Church, qui se trouve à Waldo, dans le Kentucky. J’assiste aux offices le jeudi soir et le dimanche matin. À part ma fille et moi, il y a aussi une autre femme qui se couvre la tête. Nous sommes devenues de bonnes amies et nous nous encourageons l’une l’autre. Nous sommes d’accord pour dire que c’est agréable de ne pas être la seule à se couvrir, même si, le cas échéant, nous le ferions quand-même, comme un défi. De temps en temps, il y a deux autres femmes qui assistent aux offices et qui se couvrent aussi. Il y a quelques dimanches de cela, nous étions 5, en comptant ma fille et moi, à nous voiler ! Je dois dire que c’était un moment béni pour moi. Read more

New Book: A Return to Head Covering (by Carlton C. McLeod)

Our friend Dr. Carlton C. McLeod has released his book on head covering. Visit this page to learn more info or purchase the paperback ($7) or PDF ($2).


a-return-to-head-covering-2

Friends, thank you for your interest in my latest book, A Return to Head Covering! 

I know the subject matter isn’t the most popular in the world, especially in light of the stigma associated with the practice (that’s putting it mildly!).  

Well, I’d like to put you at ease:

  • I’m not attempting to force anyone to do anything 
  • I’m not a legalist, and this book isn’t about legalism
  • I don’t embrace some imbalanced view of “patriarchy” 
  • I’m not a muslim or a hebrew israelite :)

I am a protestant, evangelical, Spirit-filled, trinitarian, husband, father, and pastor who believes in the inerrancy, infallibility, inspiration, and sufficiency of the Holy Bible and that Jesus Christ is the eternal Son of God and God the Son.  I believe that one is saved by grace alone, through faith alone, in Jesus Christ alone!

I actually stumbled into this book quite innocently, simply by teaching through 1 Corinthians as a local church pastor trying to be faithful to the Text of Scripture.  This book expands upon the sermon I initially preached on 1 Corinthians 11:1-16, chronicles a bit of my journey since then, and attempts to explain some of the more confusing verses (see the “Because of the Angels” and “It’s Not Hair” chapters) in a bit more detail.

As controversial as this subject is, please know that I’m NOT a glutton for punishment!  I wrote this book for two primary reasons:

  1. First, I wrote this book because I love my church family.  I want the book to be both an apologetic and an encouragement for them.  Some of our sisters cover.  Some do not.  Regardless, we are still charged with preaching the Gospel and walking in love.  My desire is that this book will, at a minimum, help all parties understand and communicate what we believe to visitors, family, and friends in a godly way.
  2. Many who heard the sermon online asked for more information.  I pray this effort is a blessing to them.

Friends, whether you agree or disagree with my conclusions, I think you will enjoy this very thought-provoking book.

May the LORD bless you as you labor in His vineyard,

Carlton C. McLeod

Témoignage d’Anna Brown

Head Covering Testimonies

Nom : Anna Brown | Âge : 30 ans | Vient de : Marietta, Georgie (USA) | Se voile depuis : 5 ans



Anna Brown Covering Testimony

1) Présente-toi à nos lecteurs.

Je m’appelle Anna et je suis mariée à mon merveilleux époux Tyler. Dès que nous nous sommes mariés, j’ai quitté mon travail et je suis devenue femme au foyer. Après une longue période d’essais et de prières, le Seigneur nous a bénis avec une petite fille en juillet 2016. J’aime lire, conseiller les femmes plus jeunes et faire de longues promenades avec mes chiens.

2) Dans quelle église vas-tu ? Dis-nous-en un peu plus sur ce sujet. Est-ce que d’autres personnes se voilent là-bas ?

Nous avons commencé à fréquenter une Assemblée de Frères en novembre 2016. Ceux-ci sont connus pour être des églises où l’on se couvre la tête. Cependant, pendant des années, je suis allée à des églises où l’on ne se voilait pas et j’étais généralement la seule à porter un voile pendant le culte.

3) Qu’est-ce qui t’a poussée à te voiler pour le culte ?

Je n’ai pas grandi en tant que chrétienne et j’ai donné ma vie au Seigneur en lisant simplement la Bible. Comme tout ça était nouveau pour moi, j’ai lu le passage du chapitre 11 de la première lettre aux Corinthiens sans préjugés et pour moi il n’y avait aucun doute que je devais me couvrir. Cependant, j’avais souvent honte parce que j’étais la seule à le faire et j’avais l’impression de devoir me justifier alors que je n’étais pas assez solide dans mon argumentation pour défendre cette pratique. Plus tard, je suis devenue amie avec une jeune femme qui se voilait et elle m’a fortement encouragée à le faire aussi. Elle m’a également fait découvrir le site internet du « Head Covering Movement » qui m’a permis de défendre mon point de vue face aux autres avec des arguments solidement bibliques et fondés sur les Écritures.

4) Comment s’est passé le premier dimanche où tu t’es montrée à l’église avec un voile ?

Au début, j’étais très nerveuse, mais dès que j’ai enroulé mon voile autour de ma tête j’ai ressenti une paix intérieure pour cela.

5) Quand te voiles-tu ?

Je porte mon voile durant le culte public, mais je prévois de le faire aussi quand j’enseignerai l’Évangile à nos enfants.

6) Quel conseil donnerais-tu à une femme qui ne se couvre pas par peur ?

N’ayez pas peur des autres. Essayez d’apprendre tout ce que vous pouvez sur le sujet afin de pouvoir vous reposer dans le Seigneur. Si Dieu est pour nous, qui sera contre nous ? (Romains 8 : 31)

7) Selon toi, quel est l’aspect le plus intéressant et le plus difficile concernant le voile ?

On risque de se moquer de vous, de vous ridiculiser, mais rien ne vous rendra plus heureuse que de servir le Seigneur.

8) Quel genre de couvre-chef utilises-tu ? Où les trouves-tu ?

Je porte généralement un long foulard que j’enroule sans serrer autour de ma tête. Je les achète dans n’importe quelle grande surface. Cependant, j’ai récemment pensé à acheter une mantille, parce qu’ils paraissent si gracieux.

 

Would you like to share your story of how you came to believe in head covering? Tell us about it here.

Capítulo 7: Prescritivo: Por que esta prática não é relativa à liberdade cristã?

“Portanto, a mulher deve ter sobre a cabeça sinal de poderio, por causa dos anjos.”(v. 10). A palavra traduzida ‘deve’ tanto aqui como no versículo 7 é um termo forte que expressa obrigação ou dever; consequentemente, não há opção ou escolha no assunto “. 1) Michael P.V. Barrett, “Head Covering for Public Worship: An Exposition of 1 Corinthians 11:2–16,” http://www.headcoveringmovement.com/Michael-Barrett-Head-Covering-for-Public-Worship.pdf (Faith Free Presbyterian Church, 2003), acessado em 03/05/2016.

Dr. Michael Barrett, professor, Puritan Reformed Theological Seminary

 

A liberdade cristã é o direito de um cristão de tomar uma decisão sobre algumas questões que não são ordenadas por Deus. Com esses tipos de questões, existem parâmetros bíblicos que limitam nossas escolhas e princípios bíblicos que devem informar nossas escolhas, mas não há apenas necessariamente uma resposta correta para todos os cristãos. Esta ideia é ensinada em Romanos 14, onde o apóstolo Paulo diz:

“Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes.

O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu.

Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar.

Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente.

Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus.”

Romanos 14:2-6

Paulo diz que Deus não controla uma determinada dieta nem nos pede que guardemos certos dias. Portanto, uma pessoa pode ser vegetariana enquanto outra pode comer carne. Pode-se observar um dia como especial enquanto outro pode tratar todos os dias. Ambos podem manter suas opiniões contrárias enquanto vivem para a glória de Deus. Algumas outras áreas que são consideradas como liberdade cristã, seriam seu estilo de moda, em questão de mídia (televisão, música, notícias) e como eles votam nas eleições. Essas questões terão parâmetros e princípios escriturísticos para ajudar a orientar nossas escolhas, mas não há nenhuma ordenação explicita que permita apenas uma visão em certas questões relativas.

Assim, resumindo, na área de liberdade cristã, primeiro: não é comandada por Deus, e segundo: permite que os cristãos ocupem posições diferentes enquanto ainda glorificam a Deus.

A cobertura feminina é uma liberdade Cristã?

Em 1 Coríntios 11, a cobertura feminina é defendida como um imperativo bíblico para trazer a conformidade na prática (versículo 16). Por isso, não acredito que seja correto classificá-la como uma questão de liberdade cristã. Aqui estão cinco motivos do porque eu acredito que a cobertura feminina é uma ordenança:

  1. A cobertura da cabeça é um ensinamento que foi “segurado firmemente” pela igreja porque foi entregue com autoridade apostólica (1 Coríntios 11: 2). Questões de liberdade são deixadas geralmente para o cristão individualmente, não entregue às igrejas para que elas guardem isso.
  2. Paulo diz a quem não concorda com a cobertura feminina que as igrejas têm apenas uma visão, e essa é a sua prática (1 Coríntios 11:16). Questões de liberdade são marcadas por várias visões diferentes, e não como uma posição exclusiva.
  3. A estrutura da frase ordena uma ação: “Portanto, se a mulher não se cobre com véu, tosquie-se também. Mas, se para a mulher é coisa indecente tosquiar-se ou rapar-se, que ponha o véu.” (1 Coríntios 11:6). Questões de liberdade são marcadas pela ausência de um comando de ação direta.
  4. Paulo diz que não praticar a cobertura da cabeça é desonroso, vergonhoso e comparável a uma mulher com cabeça raspada (1 Coríntios 11: 4-6). Os problemas da liberdade são marcados por uma pluralidade de escolhas que podem trazer glória a Deus, enquanto Paulo diz que, neste caso, apenas uma escolha pode ser feita.
  5. Paulo defende a cobertura Cristã apelando para a ordem de Criação, a natureza e os anjos. As questões da liberdade são marcadas muitas vezes pelo silêncio nas Escrituras, não por uma defesa bíblica.

Por estas razões, acredito que a cobertura feminina é uma ordem bíblica que deve ser praticado por todos os cristãos.

Nós “devemos” praticá-la.

Alguns sugeriram que a cobertura feminina não é um mandamento bíblico porque Paulo nos diz que “devemos” praticá-lo, e não somos obrigados.

A palavra grega por trás do “dever” é opheilō, e ocorre trinta e cinco vezes no Novo Testamento. Em suas várias ocorrências é traduzido como devedor, obrigado, deve e até mesmo mandado (com algumas outras palavras que estão intimamente relacionadas). Em todos os casos, opheilō é destinado a levar a pessoa a uma prática apenas. Não traz a conotação de escolha, mas de obrigação.

Por exemplo, Paulo diz: “Maridos também devem amar suas próprias esposas” (Efésios 5:28), e João diz: “Também devemos nos amar uns aos outros” (1 João 4:11). Esses são mandamentos bíblicos, e não questões de liberdade. Não se pode reter o amor de uma esposa ou de outros cristãos enquanto queremos ainda glorificar a Deus. Quando Paulo nos diz que um homem “não deve cobrir a cabeça” (1 Coríntios 11: 7) e que ” a mulher deve ter sobre a cabeça sinal de poderio…” (1 Coríntios 11:10), ele está falando de algo que precisamos fazer, não algo que possamos escolher se quisermos fazer.

Que diferença faz?

Tendo defendido um caso do por que a cobertura feminina deve ser entendida como um mandamento, vejamos agora a diferença que isso faz. O que queremos dizer (e não queremos dizer) quando chamamos algo de mandamento?

Um Mandamento Bíblico:

  • não significa que você não pode discordar da interpretação (e, portanto, não guarda-lo).
  • não significa que ele deve ser aplicado por uma outra pessoa (embora isso possa ser perfeitamente aceitável, dependendo da circunstância, ou seja, um pastor sobre sua congregação).

Dito isto, há algumas diferenças importantes para a forma como interagimos com um mandamento em contraste com uma questão de liberdade cristã.

Um Mandamento Bíblico:

  • significa que se você está convencido de que a interpretação está correta, você é obrigado a observá-lo.
  • significa que você pode persuadir e exortar os outros a observá-lo sem ser legalista.

Eu entendo que chamar isso de um mandamento pode ser desconfortável com alguns que leem isso. Afinal, não estamos sob Graça e libertados da Lei? Não estou sugerindo um retorno salvífico da Lei, do qual fomos libertados (Romanos 7: 6). No entanto, estou enfaticamente afirmando que o cristianismo não é uma religião da ilegalidade (Mateus 7:23). Paulo disse que estamos sob a “lei de Cristo” (1 Coríntios 9:21), e Jesus disse: “Se você me ama, você guardará os meus mandamentos” (João 14:15). Isso significa que o cristianismo e os mandamentos não são antitéticos.

Embora a captação da cabeça tenha sido ensinada por Paulo (e não por Jesus), somos informados de que “Toda a Escritura é inspirada por Deus” (2 Timóteo 3:16), e o apóstolo Pedro considerou os escritos de Paulo como também as Escrituras (2 Pedro 3: 15- 16). Isso significa que as letras negras não são menos inspiradas do que as vermelhas. Desde que 1 Coríntios 11 é escrito por Deus, os crentes devem estudar esta passagem com o mesmo vigor que eles fazem com o resto das Escrituras. Se eles estão convencidos de que uma cobertura cristã está à vista e é um símbolo intemporal, eles são obrigados a guardar este mandamento e podem ensinar e exortar outros a fazer o mesmo.

References

1.
 Michael P.V. Barrett, “Head Covering for Public Worship: An Exposition of 1 Corinthians 11:2–16,” http://www.headcoveringmovement.com/Michael-Barrett-Head-Covering-for-Public-Worship.pdf (Faith Free Presbyterian Church, 2003), acessado em 03/05/2016.

Phillip Kayser Quote Image #2

William Kayser Quote Image #2

Source: Dr. Phillip Kayser – Glory and Coverings (Biblical Blueprints, 2009) page 1.

Send this to a friend