fbpx

Navigate / search

Derek Prince on Head Covering (1 Corinthians 11:2-16)

In this video, world renown bible teacher Derek Prince (1915-2003) explains his beliefs about head covering with his wife Ruth Prince by his side.

Resumo: Um Caso Bíblico para Cobrir a Cabeça em Tempos Atuais

Agradeço que considere o caso positivo que apresentei para a cobertura de cabeça como um símbolo atemporal e transcultural. Alguns de vocês podem estar convencidos e ter apenas dúvidas sobre a aplicação prática. Outros ainda têm objeções, que abordaremos nos próximos capítulos. Antes de prosseguirmos, porém, acho que seria útil revisar os principais pontos que abordamos até agora.

Tradição Apostólica

“Eu louvo-vos porque você se lembra de mim em tudo e se apega firmemente às tradições, assim como eu as entreguei a você.” (1 Coríntios 11:2)

A palavra “tradições” neste contexto refere-se ao ensino que vem de Deus, e não dos homens. Examinamos a estrutura das frases e determinamos que cobrir a cabeça era uma dessas práticas. Isso significa que cobrir a cabeça durante o culto é um ensinamento apostólico que foi planejado para que “nos apeguemos firmemente”.

Ordem da Criação

“Cristo é a cabeça de todo homem, e o homem é a cabeça da mulher, e Deus é a cabeça de Cristo”. (1 Coríntios 11:3)

“Porque o homem não deve cobrir a cabeça, porque é imagem e glória de Deus; mas a mulher é a glória do homem. Pois o homem não se origina da mulher, mas a mulher do homem; pois, de fato, o homem não foi criado por causa da mulher, mas a mulher por causa do homem. Portanto, a mulher deve ter um símbolo de autoridade na cabeça”. (1 Coríntios 11:7-10a)

A cobertura da cabeça é um símbolo que reflete a ordem de autoridade fundada na criação pré-Queda. O homem com a cabeça descoberta mostra visivelmente que possui a liderança espiritual; ao passo que a mulher com a cabeça coberta mostra que se submeteu a um homem como sua cabeça espiritual. Quando Paulo aponta para Gênesis como uma razão pela qual devemos praticar a cobertura da cabeça, ele vira todos os argumentos culturais de cabeça para baixo.

Anjos

“Portanto, a mulher deve ter na cabeça um símbolo de autoridade, por causa dos anjos”. (1 Coríntios 11:10)

A cobertura da cabeça não é apenas um símbolo para a igreja reunida, mas também para os anjos. Como fazemos isso por eles, pressupõe que eles se juntem a nós em adoração ou pelo menos assistam. Embora não possamos saber com certeza tudo o que Paulo quis dizer com esse versículo, podemos reduzi-lo com segurança a algumas opções. Pode ser 1) um apelo para não ofender os anjos por nossa desobediência, ou 2) um mandamento para mostrar-lhes com precisão uma imagem da ordem criada (Efésios 3:10; 1 Pedro 3:22), ou 3) uma advertência como meio de prestação de contas (1 Timóteo 5:21). Paulo nos mostra neste versículo que sua preocupação não é o que a sociedade pensa, mas o que os seres angélicais pensam.

Natureza

“A própria natureza não te ensina que se um homem tem cabelo comprido, é uma desonra para ele, mas se uma mulher tem cabelo comprido, é uma glória para ela? Pois seu cabelo lhe é dado como cobertura.” (1 Coríntios 11:14-15)

Embora a cobertura da cabeça seja ensinada explicitamente nas Escrituras, também é confirmada pelo que a natureza silenciosamente nos ensina. A natureza nos mostra que o cabelo dado a cada sexo confirma a adequação da cobertura da cabeça, pois estão alinhados entre si. Também nos ensina que é desonroso quando desconsideramos uma distinção de gênero. Assim como é inapropriado fazer isso com o comprimento do cabelo, também é com a cabeça coberta enquanto “oramos e profetizamos”.

Prática da Igreja

“Se alguém está inclinado a ser contencioso, nós não temos tal prática, nem as igrejas de Deus.” (1 Coríntios 11:16 ESV)

Paulo nos diz que entre todas as igrejas, nenhuma tem a prática de mulheres orando descoberta. Quando Paulo escreveu 1 Coríntios, essas assembléias estavam espalhadas geograficamente por milhares de quilômetros em muitos países e culturas diferentes. Apesar disso, eles tinham uma prática uniforme de cobrir a cabeça. Isso mostra que este era um símbolo cristão universal e não de uma cultura específica.

Prescritivo

As questões que são de liberdade cristã não são ordenadas por Deus, e permitem que mantenhamos posições contrárias enquanto ainda O glorificamos (Rm 14:2-6). Demos uma olhada na estrutura de 1 Coríntios 11 e apresentamos cinco razões pelas quais a cobertura de cabeça não se encaixa nessa descrição. Isso significa que este ensinamento é um comando que precisa ser praticado. Também vimos que quando Paulo disse que a mulher “deveria ter na cabeça um símbolo de autoridade” (1 Coríntios 11:10) que a palavra “deveria” indica obrigação.

Espero que este resumo tenha sido uma recaptulação útil dos principais pontos que abordamos. Gostaria agora de passar a lidar com três das objeções mais comuns a essa prática.

Capítulo 9: Cultura: Prostituição, Casamento Romano e uma Situação Localizada

“Toda razão que Paulo dá para a cobertura da cabeça não é cultural e, no entanto, os evangélicos frequentemente dizem: ‘bem, isso é uma coisa cultural; não precisamos nos atentar a isso.’ As razões não são culturais. Criação. O próprio cabelo da mulher. A própria natureza. Seres angelicais estão olhando para nós. Essas não são razões culturais.” 1) S. Lewis Johnson, “Cobrindo a Cabeça em Adoração,” acessado em http://sljinstitute.net/pauls-epistles/1corinthians/covering-the-head-in-worship.
Dr. S. Lewis Johnson Jr., professor at Dallas Theological Seminary for 30+ years; pastor for 50+ years

A objeção mais popular contra a prática de cobrir a cabeça é que as instruções de Paulo eram apenas sobre uma situação local. Isso sugere que sua intenção não era que todas as igrejas tivessem mulheres cobrindo suas cabeças, mas apenas aquelas que tinham os mesmos costumes locais de Corinto. Alguns especulam que, nos dias de Paulo, apenas as prostitutas usavam cabelos curtos e não cobriam a cabeça. Outros proclamam que cobrir a cabeça era sinal de uma mulher casada fiel na cultura romana. Como a situação era local, eles concluem que hoje não é necessário cobrir a cabeça.

Embora observar a cultura da época muitas vezes possa ser útil, torna-se perigoso quando começamos a atribuir razões para um comando diferente do que o autor dá.

Dr. R.C. Sproul Sr. diz,

“Se Paulo apenas dissesse às mulheres em Corinto que cobrissem a cabeça e não desse justificativa para tal instrução, estaríamos fortemente inclinados a fornecê-la por meio de nosso conhecimento cultural. Nesse caso, no entanto, Paulo fornece uma razoável que se baseia em um apelo à criação e não ao costume das prostitutas coríntias. 2) R.C. Sproul, Knowing Scripture (Downers Grove, Illinois: InterVarsity Press, 1977), 110.

Ele continua a dizer,

“Devemos tomar cuidado para não deixar nosso zelo pelo conhecimento da cultura obscurecer o que realmente é dito.” 3) Ibid.

Em 1 Coríntios 11, Paulo apela à ordem da criação, ao testemunho da natureza e aos anjos, todos os quais transcendem a cultura. Ele nos diz que a cobertura da cabeça faz parte do ensino apostólico oficial e é a prática de todas as igrejas em todos os lugares. Portanto, isso significa que uma situação local em Corinto não pode explicar a cobertura da cabeça, pois também era a prática padrão fora de Corinto. Anteriormente, na carta de Paulo, quando ele emitiu um comando por causa da situação da época, ele mencionou. Ele recomendou não se casar “em vista da atual angústia” (1 Coríntios 7:26). Paul poderia ter feito o mesmo com a questão da cobertura da cabeça, mas não o fez, porque o que estava acontecendo na época não era o motivo do comando. Além disso, o fato de ele ordenar que os homens removam suas coberturas na mesma frase não pode ser explicado por uma situação que lida apenas com mulheres.

One Thousand Cult Prostitutes

Além dos fundamentos exegéticos, também existem sólidas razões históricas para rejeitar uma explicação cultural do uso da coberta. Conforme mencionado, alguns acreditam que uma mulher com a cabeça descoberta significava que ela estava se anunciando como uma prostituta. A referência mais procurada em apoio a essa posição são as mil prostitutas de culto no templo de Afrodite em Corinto.

Antes de examinarmos essa afirmação, precisamos de uma breve lição de história sobre a cidade de Corinto. O Dr. Dirk Jongkind (Universidade de Cambridge) diz: “A cidade de Corinto teve um glorioso passado helênico antes de sua destruição pelos romanos em 146 a.C. No entanto, quando foi refundada em 44 a.C, não foi reconstruída como uma cidade grega, mas como uma colônia romana. ” 4) Dirk Jongkind, “Corinth In The First Century AD: The Search for Another Class,” Tyndale Bulletin 52.1, 139.

Assim, a Corinto grega foi destruída e reconstruída cem anos depois como colônia romana. Passaram-se mais cem anos quando Paulo escreveu a carta de 1 Coríntios.

A principal fonte citada para aprender sobre essas prostitutas de culto é o geógrafo grego Estrabão (64/63 a.C.-24 d.C.). Estrabão viajou muito e registrou o que viu, como lemos em sua obra Geographica:

“E o templo de Afrodite era tão rico que possuía mais de mil escravos do templo, cortesãs, que ambos, homens e mulheres, haviam dedicado à deusa.” 5) Strabo, Geographica, Book 8, Chapter 6, accessed May 1, 2016, on http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/Strabo/8F*.html.

Anote o pretérito da citação. Estrabão escreveu isso cerca de trinta anos antes de Paulo escrever 1 Coríntios. Estrabão não se referia ao seu tempo presente, mas aos tempos antigos do passado de Corinto. Posteriormente, ele declarou: “A cidade dos Coríntios, então, sempre foi grande e rica”. 6) Ibid., 204. As palavras-chave são “então” e “era”. Em nítido contraste, em sua época ele viu no cume “um pequeno templo de Afrodite7) Ibid., 193. , não o “templo de Afrodite [que] era tão rico que possuía mais de mil escravos do templo“. 8) Ibid., 191.

O Dr. David W. J. Gill (Universidade de Oxford) escrevendo sobre “A Importância do Retrato Romano para Coberturas de Cabeça em 1 Coríntios 11: 2-16” diz:

“Alguns sentem o desejo de que as mulheres usem véus como Paulo, garantindo que não sejam confundidas com prostitutas ou hetaira. Parte da razão para essa visão está na interpretação de Corinto como uma cidade “obcecada por sexo” com prostitutas vagando livremente pelas ruas. Os 1.000 hetaira ligados ao culto a Afrodite, e à correspondente notoriedade de Corinto, pertencem à cidade helenística varrida por Múmio em 146 aC. Em contraste, o santuário romano era muito mais modesto. ” 9) David W. J. Gill, “The Importance of Roman Portraiture for Head-Coverings in 1 Corinthians 11:2–16,” Tyndale Bulletin 41.2.

Dr. Gill concorda que Corinto tinha uma reputação selvagem de ser obcecada por sexo e mil prostitutas de culto no templo de Afrodite. No entanto, esse pertencia a Corinto grega, que foi destruído cerca de duzentos anos antes de Paulo escrever 1 Coríntios.

Mistaken Identity

Alguns se abstiveram de fazer a ligação com a prostituição, mas em vez disso dizem que cobrir a cabeça indicava que a mulher era fiel, modesta e casada. Eles argumentam 10) The most scholarly defense of this view comes from Bruce Winter in his book Roman Wives, Roman Widows. I have written a few critiques of this book, which you can find at www.headcoveringmovement.com/articles-series. que uma mulher respeitável nunca apareceria em público sem um véu sobre a cabeça. No entanto, esta afirmação é contrária às evidências arqueológicas. O Dr. David W. J. Gill mais uma vez explica:

“Retratos públicos em mármore de mulheres em Corinto, presumivelmente membros de famílias ricas e prestigiosas, são mais frequentemente mostrados com a cabeça descoberta. Isso sugeriria que era socialmente aceitável em uma colônia romana que as mulheres fossem vistas com a cabeça descoberta em público. ” 11)  Ibid.

Dra. Cynthia L. Thompson (Yale), escrevendo sobre evidências arqueológicas na Corinto romana, diz:

“Como a maioria dos retratos femininos apresentados aqui retratam mulheres com a cabeça descoberta, pode-se inferir que a cabeça descoberta em si não era um sinal de um estilo de vida socialmente reprovado.”  12) Cynthia L. Thompson, “Hairstyles, Head-coverings, and St. Paul: Portraits from Roman Corinth,” Biblical Archaeologist, June 1988, 112.

Finalmente, a Dra. Kelly Olson (University of Chicago), que escreveu o livro “Dress and the Roman Woman” (Vestimentas e a Mulher Romana), escreve:

“A grande maioria dos bustos de retratos femininos que possuímos mostra a mulher com a cabeça descoberta, provavelmente para mostrar seu penteado elaborado ao espectador.” 13) Kelly Olson, Dress and the Roman Woman (New York: Routledge, 2008), 34.

Como eles apontam, as evidências arqueológicas apóiam o fato de que era normal as mulheres serem vistas com a cabeça descoberta. Esta não é uma evidência isolada, mas sim o que é “mostrado com mais frequência”.

E os Homens?

Visto que o apóstolo Paulo também ordena aos homens que removam a cobertura para a cabeça ao orar ou profetizar (1 Coríntios 11: 4), vejamos também se os homens que têm algo na cabeça estariam culturalmente desalinhados. O Dr. Richard E. Oster Jr. (Seminário Teológico de Princeton), escrevendo sobre o “Uso, Uso Indevido e Negligência de Evidências Arqueológicas em Algumas Obras Modernas em 1 Coríntios”, diz:

“Este costume romano [de cobertura de cabeça litúrgica masculina] pode ser documentado por várias gerações antes e depois do advento do cristianismo em Corinto. Esse costume é claramente retratado em moedas, estátuas e monumentos arquitetônicos de toda a Bacia do Mediterrâneo.” 14) Richard E. Oster Jr. “Use, Misuse and Neglect of Archaeological Evidence in Some Modern Works on 1 Corinthians” in Zeitschrift für die Neutestamentliche Wissenschaft und die Kunde der Älteren Kirche, vol. 83, issue 1–2 (published online 10.1515/zntw.1992.83.1-2.52, October 2009) 52–73.

O Dr. Oster está dizendo que os homens que cobrem suas cabeças durante esse período (não-cristão) de adoração têm um forte apoio arqueológico. Visto que Paulo instrui os homens a irem contra uma prática cultural comum, a explicação cultural deve ser rejeitada. O Dr. Oster então conclui:

“A prática de os homens cobrirem suas cabeças no contexto de oração e profecia era um padrão comum de piedade romana e difundido durante o final da República e no início do Império. Visto que Corinto era em si uma colônia romana, não deve haver dúvida de que este aspecto da prática religiosa romana merece maior atenção dos comentaristas do que tem recebido.” 15) Ibid.  

Paulo também chamou os cabelos longos dos homens de “desonrosos” (1 Coríntios 11:14). Aqueles que defendem uma visão cultural do comprimento do cabelo presumem que o cabelo comprido dos homens seria visto como vergonhoso nos dias de Paulo. No entanto, existe aquela evidência literária sólida que sugere o contrário.

A Dra. Cynthia L. Thompson cita Dio Crisóstomo (40-115 DC) para mostrar que havia exceções notáveis ​​para os homens que usavam cabelos curtos. Ela diz:

“Paulo estava em harmonia com os costumes greco-romanos gerais observados na iconografia. Seu argumento de que a “natureza”, com suas implicações universais, ensina os homens a ter cabelo curto, no entanto, ignora exceções importantes que, como um cidadão romano com reivindicações de alfabetização em grego, deveria ser conhecido por ele. Filósofos, padres, camponeses e bárbaros são mencionados como exceções à regra do cabelo curto masculino por Dio Crisóstomo, que critica os filósofos por fazerem uma conexão entre seus cabelos longos e superioridade moral: ‘Eu ainda sustento que o cabelo comprido [koman] não deve por qualquer meio ser considerada uma marca de virtude. Pois muitos seres humanos o usam longo por causa de alguma divindade; e os fazendeiros usam cabelos compridos, sem nunca ter ouvido a palavra filosofia; e, por Zeus, a maioria dos bárbaros também usa cabelo comprido, alguns como cobertura e outros porque acreditam que é apropriado. Em nenhum desses casos um homem é submetido ao ódio ou ao ridículo.16) Thompson, “Hairstyles,” 104.

Crisóstomo diz que havia muitos homens que usavam cabelos compridos e não eram “submetidos ao ódio (ódio) ou ao ridículo”. Essa é outra maneira de dizer que era normal. Não apenas isso, mas eles não estavam fazendo isso para se rebelar contra a sociedade porque viam isso como uma “marca de virtude”. Isso é realmente importante porque o argumento cultural assume que o Corinto de Paulo tinha uma visão completamente diferente sobre essas questões do que o mundo ocidental moderno. A opinião deles é propagada dizendo que se um homem fosse visto com cabelo comprido naquela cultura, as pessoas teriam ficado de queixo caído em estado de choque com a exibição pública de vergonha. Como vimos, essa imagem simplesmente não se encaixa nas evidências. Paulo estava falando sobre a ordem de Deus, não o sentimento de Corinto.

Cynthia Thompson parece achar isso preocupante ao presumir erroneamente que algo ensinado pela “natureza” seria universalmente praticado. Não acredito que devamos nos surpreender quando homens e mulheres pecadores fazem o que é certo aos seus próprios olhos. Homens e mulheres costumam fazer o oposto do que a revelação natural e a especial nos ensinam.

Conclusão

Paulo não nos deixa sem saber por que as mulheres devem cobrir a cabeça e os homens se conter. O fato de ele dizer “por esta razão” (1 Coríntios 11:10 NKJV) significa que a resposta será encontrada na exegese, não na análise cultural. Dito isso, quando examinamos as práticas culturais romanas naquela época, vemos que: 1) os homens cobriram suas cabeças no culto não cristão, e 2) as mulheres sendo vistas sem cobertura não era um ultraje ou uma associação com um socialmente estilo de vida reprovado. Uma vez que os argumentos culturais para cobrir a cabeça devem ignorar a própria explicação de Paulo, eles devem ser rejeitados.

References

1.
 S. Lewis Johnson, “Cobrindo a Cabeça em Adoração,” acessado em http://sljinstitute.net/pauls-epistles/1corinthians/covering-the-head-in-worship.
2.
 R.C. Sproul, Knowing Scripture (Downers Grove, Illinois: InterVarsity Press, 1977), 110.
3.
 Ibid.
4.
 Dirk Jongkind, “Corinth In The First Century AD: The Search for Another Class,” Tyndale Bulletin 52.1, 139.
5.
 Strabo, Geographica, Book 8, Chapter 6, accessed May 1, 2016, on http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/Strabo/8F*.html.
6.
 Ibid., 204.
7.
 Ibid., 193.
8.
 Ibid., 191.
9.
 David W. J. Gill, “The Importance of Roman Portraiture for Head-Coverings in 1 Corinthians 11:2–16,” Tyndale Bulletin 41.2.
10.
  The most scholarly defense of this view comes from Bruce Winter in his book Roman Wives, Roman Widows. I have written a few critiques of this book, which you can find at www.headcoveringmovement.com/articles-series.
11.
  Ibid.
12.
 Cynthia L. Thompson, “Hairstyles, Head-coverings, and St. Paul: Portraits from Roman Corinth,” Biblical Archaeologist, June 1988, 112.
13.
 Kelly Olson, Dress and the Roman Woman (New York: Routledge, 2008), 34.
14.
 Richard E. Oster Jr. “Use, Misuse and Neglect of Archaeological Evidence in Some Modern Works on 1 Corinthians” in Zeitschrift für die Neutestamentliche Wissenschaft und die Kunde der Älteren Kirche, vol. 83, issue 1–2 (published online 10.1515/zntw.1992.83.1-2.52, October 2009) 52–73.
15.
 Ibid.
16.
 Thompson, “Hairstyles,” 104.

Capítulo 10: Legalismo: Focando nos Detalhes e um Distração de Coisas Mais Importantes

“Admitido, ‘deixe que ela cubra a cabeça’ (1 Coríntios 11: 6) pode não ser tão importante quanto ‘derramasse pelos famintos’ (Isaías 58:10) – se você pode chamar qualquer parte da Palavra de Deus de sem importância. Mas imagino que se o rei mandar você conquistar o sertão um dia e lhe mandar ferrar o cavalo no dia seguinte, você deve fazer os dois sem afrouxar. Ele é o rei.”
Andrée Seu Peterson (escritor sênior, WORLD Magazine)

 

A passagem de cobrir a cabeça (1 Coríntios 11: 2-16) é frequentemente classificada na categoria “obscura” nas Escrituras. Um teólogo disse: “o véu aqui e o homem do pecado em II Tessalonicenses são duas das três passagens mais obscuras do Novo Testamento”. Mas é assim mesmo? Esta seção das Escrituras é discutível, e há boas objeções à prática que requerem muito pensamento e estudo. Mas obscuro? Um versículo verdadeiramente obscuro não é expandido, explicado ou defendido. O significado não pode ser facilmente discernido por causa de sua imprecisão. Bons exemplos de versículos obscuros são 1 Coríntios 15:29 (batismo pelos mortos), 1 Timóteo 2:15 (mulheres salvas durante a gravidez) e 1 Coríntios 11:10 (cobrindo “por causa dos anjos”). Embora haja um versículo obscuro na passagem que cobre a cabeça (1 Coríntios 11: 10b), a seção como um todo não é.

  • Uma passagem obscura provavelmente ocuparia apenas um versículo ou dois. A cobertura para a cabeça é ensinada em quinze versos consecutivos.
  • Uma passagem obscura seria mencionada, mas não explicada. Cobrindo a cabeça, Paulo diz: “Quero que entendam” (1 Coríntios 11: 3), e então revela o significado do símbolo.
  • Uma passagem obscura seria ordenada, mas sem nenhuma razão quanto ao motivo. Com a cobertura da cabeça, Paulo dá razões pelas quais devemos praticá-la, incluindo a ordem da criação (versículos 3, 7–10), o testemunho da natureza (v.14-15) e os anjos (v.10). Ele nos diz que cobrir a cabeça é parte do ensino apostólico oficial (v.2) e é a prática de todas as igrejas, em todos os lugares (v.16).

Em vez de ser obscura, a cobertura para a cabeça é o símbolo mais bem defendido no Novo Testamento. Nenhum outro símbolo nas Escrituras tem mais razões para praticá-lo, nem qualquer outro possui uma defesa tão longa.

Mencionado apenas uma vez

Uma objeção semelhante é que a cobertura para cabeça só é mencionado uma vez na Bíblia. Isso é verdade. Mas quantas vezes algo precisa ser mencionado nas Escrituras antes de levarmos a sério? A resposta tem que ser apenas uma vez, por causa de quem é o Autor.

“Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para o ensino, para a repreensão, para a correção e para o treinamento na justiça, para que o homem de Deus seja competente, equipado para toda boa obra.” (2 Timóteo 3: 16-17 ESV)

Toda a Escritura é proveitosa. Não algumas e não apenas coisas que são mencionadas muitas vezes, mas todas. Não apenas isso, mas “toda a Escritura é. . . proveiosa para o ensino. ” Isso significa que a discussão e o ensino sobre a cobertura de cabeça não é uma distração, mas uma resposta adequada à crença na inspiração das Escrituras.

Também é importante notar que o apóstolo Paulo dedicou essencialmente a mesma quantidade de tempo para cobrir a cabeça como ele dedicou à Ceia do Senhor. Em ambos os tópicos, ele sentiu a necessidade de abordá-los em apenas uma de suas cartas. Se a repetição determinasse a importância, então o apóstolo Paulo via a cobertura de cabeça e a Ceia do Senhor como igualmente importantes. Ele também veria se cumprimentar com um beijo santo (que ele mencionou quatro vezes) como mais importante do que se as mulheres pudessem ser pastoras (que ele mencionou apenas uma vez). Claramente este não é o caso.

Mandamentos Menores

Alguns pensam que a discussão prolongada sobre este tópico (e certamente um movimento dedicado a ele) está nos distraindo dos mandamentos mais importantes, como alimentar os pobres e compartilhar o evangelho. Primeiro, esses comandos são mais importantes do que cobrir a cabeça? Bem, sim. Sim, eles são. Espero que isso não te surpreenda. Cobrir a cabeça está longe de ser o comando mais importante. Mas, mais uma vez, acreditamos que Deus é o Autor de “toda a Escrituras” e, portanto, toda a Escrituras merece ser levada a sério.

Vamos dar uma olhada em como Jesus lidou com “mandamentos menores”.

“Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas! Pois vocês pagam o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e negligenciam as questões mais importantes da lei: justiça, misericórdia e fidelidade. Isso você deveria ter feito, sem negligenciar os outros.” (Mateus 23:23 ESV)

Jesus disse aos fariseus que o dízimo não é tão importante quanto a justiça, misericórdia e fidelidade. Os fariseus acertaram nas pequenas coisas, mas negligenciaram os mandamentos mais importantes. Como Jesus respondeu? Ele os repreende severamente e lhes diz para começarem a cumprir “as questões mais importantes da lei“. No entanto, Ele não diz a eles para parar de fazer os mandamentos menos importantes. Ele quer que eles façam as duas coisas. Ele diz a eles: “Isso você deveria ter feito, sem negligenciar os outros.

Em outra instância, ao falar sobre as leis do Antigo Testamento, Jesus diz:

“Portanto, quem quer que relaxe um dos menores desses mandamentos e ensine outros a fazer o mesmo será chamado o menor no reino dos céus, mas quem os cumprir e ensinar será chamado de grande no reino dos céus.” (Mateus 5:19 ESV)

Como podemos ver, Jesus não viu comandos menores como opcionais. O mínimo deve ser observado junto com o maior. Eles precisam ser distinguidos e mantidos em seus devidos lugares, mas ambos devem ser observados.

Legalismo

Muitos dos que cobrem a cabeça hoje são considerados legalistas. Para comentar essa cobrança, é importante primeiro definir o termo. A palavra “legalismo” não é encontrada em nenhum lugar da Bíblia, nem ninguém nas Escrituras é referido como “legalista”. É uma palavra cunhada para se referir a uma visão incorreta da observância da lei. De modo geral, quando alguém é legalista, está fazendo uma de duas coisas:

  1. Eles acreditam que sua observância da lei os torna (ou os mantém) em uma posição correta para com Deus.
  2. Eles fazem leis a partir de questões que os cristãos têm liberdade para decidir por si próprios.

Para a primeira definição, é possível ser legalista sobre qualquer ensino nas Escrituras. A cobertura de cabeça não deve ser destacado, pois nenhum mandamento está imune a esse erro. Qualquer um pode pensar que a obediência de alguém merece o favor justificativo de Deus, não importa o problema. Mas, deixe-me ser claro, essa é uma visão herética. Nenhuma quantidade de boas obras ou cumprimento da lei pode nos tornar (ou nos manter) justos para com Deus. Nossa salvação é um presente gratuito, baseado na vida e morte perfeitas de Jesus em nosso lugar. A fé em Cristo é o que nos salva, não a obediência a Cristo. Obedecemos a Deus por amor a ele (João 14:15), para não sermos amados por ele. Portanto, pode-se praticar a cobertura de cabeça sem ser legalista nesse sentido.

A última definição de legalismo é transformar questões de liberdade cristã em mandamentos. A cobertura para a cabeça só poderia ser legalista nesse sentido se a prática em si não fosse ordenada nas Escrituras. Vamos revisar várias razões do capítulo 7 sobre porque acreditamos que este símbolo não é a liberdade cristã:

  1. Cobertura para a cabeça é o ensino que foi “sustentado com firmeza” pela igreja porque foi entregue com autoridade apostólica (1 Coríntios 11: 2). As questões de liberdade são deixadas para os cristãos, não entregues às igrejas para que eles se apeguem.
  2. Paulo diz a qualquer pessoa que discorde do uso da cobertura de cabeça que as igrejas têm apenas um ponto de vista, e essa é sua prática (1 Coríntios 11:16). As questões de liberdade são marcadas por múltiplos pontos de vista, não uma posição exclusiva.
  3. A estrutura da frase ordena uma ação: “Mas, visto que é vergonhoso para a mulher cortar o cabelo ou rapar a cabeça, cubra a cabeça” (1 Coríntios 11: 6 ESV). Os problemas de liberdade são marcados pela ausência de um comando de ação direto.
  4. Paulo diz que não praticar a cobertura da cabeça é desonroso, vergonhoso e comparável a uma mulher que tem a cabeça raspada (1 Coríntios 11: 4-6). As questões de liberdade são marcadas por uma pluralidade de escolhas que podem trazer glória a Deus (Romanos 14: 6), enquanto a escolha de linguagem de Paulo sugere que, neste caso, apenas uma escolha pode.
  5. Paulo defende o uso da cobertura de cabeça apelando para a ordem da criação, natureza e anjos. As questões de liberdade são marcadas por seu silêncio nas Escrituras, não por uma defesa.

Visto que cobrir a cabeça não é um símbolo que as pessoas podem escolher se quiserem obedecer, não acredito que esta definição de legalismo se aplique. Seria como dizer: “É legalismo da sua parte dizer a uma nova cristã que ela deve ser batizada”. Isso seria uma acusação mal aplicada, pois o batismo é um mandamento, não uma prática da qual você decide se deseja participar ou não. Quando alguém é exortado a aderir a uma ordem das escrituras, isso não é legalismo; é o cristianismo bíblico.

Conclusão

O ensino da cobertura para a cabeça não está envolto na obscuridade. A Bíblia fornece uma longa explicação com muitas razões pelas quais devemos praticá-la. Visto que é assim, é injusto comparar isso com aqueles que constroem uma doutrina a partir de um versículo fora do contexto ou de uma declaração vaga e passageira da Bíblia. Embora seja mencionado apenas uma vez, uma vez é suficiente porque Deus é o Autor. Além disso, pode-se usar a cobertura de cabeça sem atribuir um nível de importância que a Bíblia não dá.

Colocar diferentes mandamentos bíblicos uns contra os outros é uma falsa dicotomia. Não é cobrir a cabeça ou alimentar os pobres; é cobrir a cabeça e alimentar os pobres. Não é preciso parar de servir para estudar e praticar este ensino bíblico. Finalmente, embora a cobertura de cabeça possa ser praticada legalisticamente, a fonte do legalismo estaria no coração de quem o pratica, não no símbolo em si.

Men: Remove Your Hats When You Pray (Sermon Clip)

In this short sermon clip, Pastor Joel Walters (of the Bible Fellowship) speaks about the need for men to be obedient to the commands of 1 Corinthians 11, by removing their hats when they pray or prophesy.

Watch the full sermon here.

Send this to a friend