fbpx

Navigate / search

Capítulo 10: Legalismo: Focando nos Detalhes e um Distração de Coisas Mais Importantes

“Admitido, ‘deixe que ela cubra a cabeça’ (1 Coríntios 11: 6) pode não ser tão importante quanto ‘derramasse pelos famintos’ (Isaías 58:10) – se você pode chamar qualquer parte da Palavra de Deus de sem importância. Mas imagino que se o rei mandar você conquistar o sertão um dia e lhe mandar ferrar o cavalo no dia seguinte, você deve fazer os dois sem afrouxar. Ele é o rei.”
Andrée Seu Peterson (escritor sênior, WORLD Magazine)

 

A passagem de cobrir a cabeça (1 Coríntios 11: 2-16) é frequentemente classificada na categoria “obscura” nas Escrituras. Um teólogo disse: “o véu aqui e o homem do pecado em II Tessalonicenses são duas das três passagens mais obscuras do Novo Testamento”. Mas é assim mesmo? Esta seção das Escrituras é discutível, e há boas objeções à prática que requerem muito pensamento e estudo. Mas obscuro? Um versículo verdadeiramente obscuro não é expandido, explicado ou defendido. O significado não pode ser facilmente discernido por causa de sua imprecisão. Bons exemplos de versículos obscuros são 1 Coríntios 15:29 (batismo pelos mortos), 1 Timóteo 2:15 (mulheres salvas durante a gravidez) e 1 Coríntios 11:10 (cobrindo “por causa dos anjos”). Embora haja um versículo obscuro na passagem que cobre a cabeça (1 Coríntios 11: 10b), a seção como um todo não é.

  • Uma passagem obscura provavelmente ocuparia apenas um versículo ou dois. A cobertura para a cabeça é ensinada em quinze versos consecutivos.
  • Uma passagem obscura seria mencionada, mas não explicada. Cobrindo a cabeça, Paulo diz: “Quero que entendam” (1 Coríntios 11: 3), e então revela o significado do símbolo.
  • Uma passagem obscura seria ordenada, mas sem nenhuma razão quanto ao motivo. Com a cobertura da cabeça, Paulo dá razões pelas quais devemos praticá-la, incluindo a ordem da criação (versículos 3, 7–10), o testemunho da natureza (v.14-15) e os anjos (v.10). Ele nos diz que cobrir a cabeça é parte do ensino apostólico oficial (v.2) e é a prática de todas as igrejas, em todos os lugares (v.16).

Em vez de ser obscura, a cobertura para a cabeça é o símbolo mais bem defendido no Novo Testamento. Nenhum outro símbolo nas Escrituras tem mais razões para praticá-lo, nem qualquer outro possui uma defesa tão longa.

Mencionado apenas uma vez

Uma objeção semelhante é que a cobertura para cabeça só é mencionado uma vez na Bíblia. Isso é verdade. Mas quantas vezes algo precisa ser mencionado nas Escrituras antes de levarmos a sério? A resposta tem que ser apenas uma vez, por causa de quem é o Autor.

“Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para o ensino, para a repreensão, para a correção e para o treinamento na justiça, para que o homem de Deus seja competente, equipado para toda boa obra.” (2 Timóteo 3: 16-17 ESV)

Toda a Escritura é proveitosa. Não algumas e não apenas coisas que são mencionadas muitas vezes, mas todas. Não apenas isso, mas “toda a Escritura é. . . proveiosa para o ensino. ” Isso significa que a discussão e o ensino sobre a cobertura de cabeça não é uma distração, mas uma resposta adequada à crença na inspiração das Escrituras.

Também é importante notar que o apóstolo Paulo dedicou essencialmente a mesma quantidade de tempo para cobrir a cabeça como ele dedicou à Ceia do Senhor. Em ambos os tópicos, ele sentiu a necessidade de abordá-los em apenas uma de suas cartas. Se a repetição determinasse a importância, então o apóstolo Paulo via a cobertura de cabeça e a Ceia do Senhor como igualmente importantes. Ele também veria se cumprimentar com um beijo santo (que ele mencionou quatro vezes) como mais importante do que se as mulheres pudessem ser pastoras (que ele mencionou apenas uma vez). Claramente este não é o caso.

Mandamentos Menores

Alguns pensam que a discussão prolongada sobre este tópico (e certamente um movimento dedicado a ele) está nos distraindo dos mandamentos mais importantes, como alimentar os pobres e compartilhar o evangelho. Primeiro, esses comandos são mais importantes do que cobrir a cabeça? Bem, sim. Sim, eles são. Espero que isso não te surpreenda. Cobrir a cabeça está longe de ser o comando mais importante. Mas, mais uma vez, acreditamos que Deus é o Autor de “toda a Escrituras” e, portanto, toda a Escrituras merece ser levada a sério.

Vamos dar uma olhada em como Jesus lidou com “mandamentos menores”.

“Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas! Pois vocês pagam o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e negligenciam as questões mais importantes da lei: justiça, misericórdia e fidelidade. Isso você deveria ter feito, sem negligenciar os outros.” (Mateus 23:23 ESV)

Jesus disse aos fariseus que o dízimo não é tão importante quanto a justiça, misericórdia e fidelidade. Os fariseus acertaram nas pequenas coisas, mas negligenciaram os mandamentos mais importantes. Como Jesus respondeu? Ele os repreende severamente e lhes diz para começarem a cumprir “as questões mais importantes da lei“. No entanto, Ele não diz a eles para parar de fazer os mandamentos menos importantes. Ele quer que eles façam as duas coisas. Ele diz a eles: “Isso você deveria ter feito, sem negligenciar os outros.

Em outra instância, ao falar sobre as leis do Antigo Testamento, Jesus diz:

“Portanto, quem quer que relaxe um dos menores desses mandamentos e ensine outros a fazer o mesmo será chamado o menor no reino dos céus, mas quem os cumprir e ensinar será chamado de grande no reino dos céus.” (Mateus 5:19 ESV)

Como podemos ver, Jesus não viu comandos menores como opcionais. O mínimo deve ser observado junto com o maior. Eles precisam ser distinguidos e mantidos em seus devidos lugares, mas ambos devem ser observados.

Legalismo

Muitos dos que cobrem a cabeça hoje são considerados legalistas. Para comentar essa cobrança, é importante primeiro definir o termo. A palavra “legalismo” não é encontrada em nenhum lugar da Bíblia, nem ninguém nas Escrituras é referido como “legalista”. É uma palavra cunhada para se referir a uma visão incorreta da observância da lei. De modo geral, quando alguém é legalista, está fazendo uma de duas coisas:

  1. Eles acreditam que sua observância da lei os torna (ou os mantém) em uma posição correta para com Deus.
  2. Eles fazem leis a partir de questões que os cristãos têm liberdade para decidir por si próprios.

Para a primeira definição, é possível ser legalista sobre qualquer ensino nas Escrituras. A cobertura de cabeça não deve ser destacado, pois nenhum mandamento está imune a esse erro. Qualquer um pode pensar que a obediência de alguém merece o favor justificativo de Deus, não importa o problema. Mas, deixe-me ser claro, essa é uma visão herética. Nenhuma quantidade de boas obras ou cumprimento da lei pode nos tornar (ou nos manter) justos para com Deus. Nossa salvação é um presente gratuito, baseado na vida e morte perfeitas de Jesus em nosso lugar. A fé em Cristo é o que nos salva, não a obediência a Cristo. Obedecemos a Deus por amor a ele (João 14:15), para não sermos amados por ele. Portanto, pode-se praticar a cobertura de cabeça sem ser legalista nesse sentido.

A última definição de legalismo é transformar questões de liberdade cristã em mandamentos. A cobertura para a cabeça só poderia ser legalista nesse sentido se a prática em si não fosse ordenada nas Escrituras. Vamos revisar várias razões do capítulo 7 sobre porque acreditamos que este símbolo não é a liberdade cristã:

  1. Cobertura para a cabeça é o ensino que foi “sustentado com firmeza” pela igreja porque foi entregue com autoridade apostólica (1 Coríntios 11: 2). As questões de liberdade são deixadas para os cristãos, não entregues às igrejas para que eles se apeguem.
  2. Paulo diz a qualquer pessoa que discorde do uso da cobertura de cabeça que as igrejas têm apenas um ponto de vista, e essa é sua prática (1 Coríntios 11:16). As questões de liberdade são marcadas por múltiplos pontos de vista, não uma posição exclusiva.
  3. A estrutura da frase ordena uma ação: “Mas, visto que é vergonhoso para a mulher cortar o cabelo ou rapar a cabeça, cubra a cabeça” (1 Coríntios 11: 6 ESV). Os problemas de liberdade são marcados pela ausência de um comando de ação direto.
  4. Paulo diz que não praticar a cobertura da cabeça é desonroso, vergonhoso e comparável a uma mulher que tem a cabeça raspada (1 Coríntios 11: 4-6). As questões de liberdade são marcadas por uma pluralidade de escolhas que podem trazer glória a Deus (Romanos 14: 6), enquanto a escolha de linguagem de Paulo sugere que, neste caso, apenas uma escolha pode.
  5. Paulo defende o uso da cobertura de cabeça apelando para a ordem da criação, natureza e anjos. As questões de liberdade são marcadas por seu silêncio nas Escrituras, não por uma defesa.

Visto que cobrir a cabeça não é um símbolo que as pessoas podem escolher se quiserem obedecer, não acredito que esta definição de legalismo se aplique. Seria como dizer: “É legalismo da sua parte dizer a uma nova cristã que ela deve ser batizada”. Isso seria uma acusação mal aplicada, pois o batismo é um mandamento, não uma prática da qual você decide se deseja participar ou não. Quando alguém é exortado a aderir a uma ordem das escrituras, isso não é legalismo; é o cristianismo bíblico.

Conclusão

O ensino da cobertura para a cabeça não está envolto na obscuridade. A Bíblia fornece uma longa explicação com muitas razões pelas quais devemos praticá-la. Visto que é assim, é injusto comparar isso com aqueles que constroem uma doutrina a partir de um versículo fora do contexto ou de uma declaração vaga e passageira da Bíblia. Embora seja mencionado apenas uma vez, uma vez é suficiente porque Deus é o Autor. Além disso, pode-se usar a cobertura de cabeça sem atribuir um nível de importância que a Bíblia não dá.

Colocar diferentes mandamentos bíblicos uns contra os outros é uma falsa dicotomia. Não é cobrir a cabeça ou alimentar os pobres; é cobrir a cabeça e alimentar os pobres. Não é preciso parar de servir para estudar e praticar este ensino bíblico. Finalmente, embora a cobertura de cabeça possa ser praticada legalisticamente, a fonte do legalismo estaria no coração de quem o pratica, não no símbolo em si.

Men: Remove Your Hats When You Pray (Sermon Clip)

In this short sermon clip, Pastor Joel Walters (of the Bible Fellowship) speaks about the need for men to be obedient to the commands of 1 Corinthians 11, by removing their hats when they pray or prophesy.

Watch the full sermon here.

SERMON CLIP: The Heart of Satanism: Rejection of God’s Authority

In this 9min sermon clip, Pastor Joel Walters (of the Bible Fellowship) speaks about God’s order of authority and how a rejection of God’s authority is at the heart of Satanism.

Watch the full sermon here.

Head Coverings: A Symbol Of Submission To God Ordained Roles

Head Covering Sermon

Preacher: Pastor Joel Walters | Sermon Length: 1 hr 9min | Preached: Sept 20, 2020

At a very young age, Joel responded to the Gospel message and became a disciple of Jesus Christ. As a young man, he felt God’s call to ministry and after graduating from High School he began working at his church. He served in whatever way possible and eventually became the worship leader and worked with the youth ministry. In 2008 he was led by the Lord to plant The Bible Fellowship a non-denominational church in Wimauma, FL. He has been pastoring there ever since. Joel and his wife Denaye have 3 children and are blessed and privileged to know and serve the Lord Jesus Christ.

>> In addition to streaming this sermon or watching it above, you can also download it.

Heard a good sermon on head covering or biblical manhood/womanhood? Tell us about it here.

How to Share Head Covering With Friends

How to Share Head Covering with Friends

[Guest Author: This article was written by guest author, Elaine Mingus. It is a republished work from her previous blog. If you’re interested in writing for the Head Covering Movement please visit this page.]

Introduction

Once you discover the biblical mandate to practice headcovering, you probably will find yourself wanting to share this newfound understanding with your friends.

Just like sharing your salvation experience, many women want to express the beauty and freedom they’ve found in obeying and aligning themselves with God’s divine order.

But sharing about something that is… I don’t know… not a part of our “normal” culture can be… scary.

And what makes it more difficult is that some people already have a stereotypical judgment about people who cover their heads.

Here are some tips for how to share head covering with your friends.

1) Be An Example Read more

Send this to a friend