fbpx

Navigate / search

Cabelo longo: Nossa cobertura natural como a cobertura única

“Verso 15 tem sido grandemente mal entendido por muitos. Alguns tem sugerido que já que    a mulher o seu ‘cabelo lhe foi dado como cobertura’ – ‘cabelo lhe foi dado em lugar de véu’ não é necessário que ela tenha nenhuma outra cobertura. Mas tal ensinamento causa grave violência a essa porção da Escritura. A menos que se veja que duas coberturas são mencionadas neste capítulo, a passagem se torna irremediavelmente confusa”

 

A visão de que a cobertura de cabeça refere-se ao longo cabelo de uma mulher é uma crença popular defendida por muitos cristãos de hoje. Vem de 1 Coríntios 11: 14–15, que diz:

“Nem a própria natureza lhe ensina que se um homem tem cabelos compridos, isso é uma desonra, mas se uma mulher tem cabelos compridos, isso é uma glória para ela? Pois lhe são dados os cabelos para cobertura.” (1 Coríntios 11: 14–15)

Agora, ninguém contesta que nesses dois versículos Paulo está falando sobre comprimentos de cabelo. Isso está claro. Os homens devem ter cabelos curtos, e as mulheres devem manter os seus longos. O que é discutido é como essa passagem se relaciona com o restante do argumento de Paulo sobre cobertura. Conforme discutido no capítulo 4, esta passagem apela para o que a natureza nos ensina sobre os comprimentos de nossos cabelos como uma razão pela qual as mulheres devem usar uma cobertura artificial. No entanto, aqueles que adotam a visão de “cabelos longos” dizem que isso não é uma razão, mas uma passagem explicativa sobre o que é a cobertura. Isso mostra que Paulo estava preocupado com os comprimentos de cabelo o tempo todo. Vamos levar algum tempo para examinar seus argumentos.

Passagem Sem Tecido

Um dos principais argumentos para a visão de “cabelos longos” é que em 1 Coríntios 11 Paulo não diz às mulheres que usem uma cobertura artificial. Eles apontam que a palavra “véu” não é usada aqui. Isso é verdade, já que Paulo diz às mulheres para cobrirem a cabeça sem nunca lhes dizer o que usar como cobertura. Portanto, o argumento é, como no versículo 15, que o “cabelo comprido” de uma mulher é o que será uma cobertura para ela.

Antes de responder a essa afirmação, vamos primeiro olhar historicamente para essa interpretação e ver o que a igreja acreditou sobre esse tópico ao longo dos tempos.

Uma Nova Interpretação

Philip Brown II (PhD, Universidade Bob Jones) é um dos defensores mais proeminentes e articulados da visão de “cabelos longos”. Ele diz:

“No geral, os interpretes modernos se desviam pouco da identificação da cobertura que Paul exige como véu ou cobertura material até meados do século vinte. Embora a visão de que a cobertura que Paulo exigia ou proibia fosse em si mesma cabelos longos tivesse sido mantida popularmente por vários grupos ao longo do século vinte, Abel Isaakson [em 1965] foi o primeiro a oferecer à comunidade acadêmica por impresso um argumento extenso para essa posição.” 

Então, o Dr. Brown identifica o ponto de partida dessa visão (que ele próprio considera) como o século XX. Consegui traçar a visão um pouco mais longe até o final do século vinte,1) O primeiro defensor que pude encontrar foi Karl Christian Johann Holsten (1825–1897), um teólogo liberal alemão. Mais informações em http://www.headcoveringmovement.com/articles/where-did-the-long-hair-view-come-from.  mas o ponto é que a visão de “cabelos compridos” é uma nova doutrina. É diferente de como a igreja entendeu essa passagem por mil e novecentos anos. Embora a história da igreja não seja a autoridade final, nós devemos sempre ter cuidado com visões totalmente novas. Como diz o velho ditado: “Se é novo, provavelmente não é verdade.”

O atestado de que a cobertura da cabeça é um véu real é muito recente. Irineu (130-220 DC) foi um bispo e apologistas do início do cristianismo. Irineu (130-220 dC) foi um dos primeiros bispos e apologistas cristãos. Irineu cita 1 Coríntios 11:10 como “A mulher deve ter um véu sobre a cabeça, por causa dos anjos”. Observe que ele diz “véu” em vez de “autoridade”.

Isso nos mostra que Irineu entendeu esta seção das Escrituras como uma cobertura de tecido, não o cabelo comprido de uma mulher. Deve-se notar também que Irineu era cidadão romano e nativo de fala grega (o idioma em que Paulo escreveu). Então seria pouco provável que ele entendesse mal a escolha de palavras de Paulo, pois essa era sua área e idioma nativos. Outros pais notáveis da igreja que disseram que cobrir a cabeça de tecido foi o que Paulo ordenou inclui: Clemente de Alexandria (150–215 dC), Hipólito (170–236 dC), Tertuliano (aprox. 155–220 dC), João Crisóstomo (347 dC –407), Jerônimo (347–420 dC) e Agostinho (354–430 dC).

Uso do Grego

Em 1 Coríntios 11, o apóstolo Paulo usa algumas palavras diferentes para se referir à cabeça de alguém estando coberta ou descoberta. Por favor, me acompanhe enquanto fazemos um estudo sobre essas palavras. Será um pouco mais técnico, mas acho que você achará benéfico. Vou mostrar a você como as palavras gregas que Paulo usa para “cobrir” e “descobrir” são usadas em outros escritos. É assim que os estudiosos determinam o que as palavras antigas significam.

Você pode procurar a palavra em um léxico grego (um dicionário para palavras gregas) e ela indicará o que uma palavra significa. Mas quero mostrar como os léxicos surgem com suas definições. Então vamos fazer uma transição e observar o uso relevante dessas palavras em outros escritos gregos. Por relevante, quero dizer que eles precisam estar falando sobre uma cobertura para a “cabeça” e também precisam ter sido escritos perto de quando o apóstolo Paulo escreveu sua carta (aproximadamente 54 dC). Esse critério é importante, pois as palavras mudam de significado ao longo do tempo.

Kata Kephalē Echōn

As palavras gregas traduzidas “algo em sua cabeça” em 1 Coríntios 11: 4 são kata kephalē echōn. Kata é uma preposição que provavelmente indica uma direção descendente. Não é traduzido no NASB, entretanto eles adicionam a palavra “algo” para mostrar seu amplo escopo. Kephalē é um substantivo e é traduzido como “cabeça”. Por fim, echōn é um verbo que significa “tendo” e é traduzido nesta tradução como “dele”. A maneira como podemos determinar o que Paulo quis dizer com a frase é ver como ela é usada em outro lugar. Agora, essas palavras aparecem apenas aqui no Novo Testamento, mas há outros dois casos relevantes que devemos levar em consideração.

O primeiro uso é na Septuaginta, que é a tradução grega do Antigo Testamento. Esta foi a Bíblia usada pelos apóstolos. Em Ester 6:12, diz: “Mas Hamã correu para sua casa, de luto e com a cabeça coberta”. As palavras traduzidas como “cabeça coberta” são kata kephalē em grego. Essas são as palavras usadas em 1 Coríntios 11: 4. Esta é uma passagem que obviamente se refere a uma cobertura material da cabeça, porque você não pode crescer cabelos compridos enquanto corre para casa.

Outro uso notável dessas palavras é por Plutarco, que era historiador grego e cidadão romano. Ele também viveu durante os mesmos anos em que Paulo escreveu suas cartas. Plutarco, escrevendo sobre um homem com uma toga na cabeça, disse: “Ele estava andando com a toga cobrindo a cabeça [kata kephalē echōn]” (Regum 82.13). Esta é exatamente a mesma frase que Paulo usou em 1 Coríntios 11. O fato de Plutarco ser contemporâneo de Paulo, vivendo na mesma região e falando a mesma língua, significa que a maneira como ele usou as palavras é muito útil para comparação. Quando Plutarco quis falar sobre uma cobertura material da cabeça, ele usou kata kephalē echōn para descrevê-la.

Katakalyptō and Akatakalyptos

Enquanto o kata kephalē é usado apenas uma vez na passagem da coberta de cabeça, as palavras katakalyptō (cobertura) e akatakalyptos (descoberta) são usadas no total cinco vezes. Esta é a mesma palavra, mas a última está na forma negativa. Vamos também dar uma breve olhada em como essas palavras são usadas em outros lugares.

Ambas as palavras aparecem apenas no Novo Testamento em 1 Coríntios 11. Fora do Novo Testamento, ambas as palavras se referem consistentemente a uma cobertura material quando usada em referência à cabeça de alguém. O Dicionário Teológico do Novo Testamento confirma que “fora do NT [katakalyptō] é encontrado no sentido de ‘cobrir’ ou ‘cobrir a si mesmo’ ‘. Vamos agora examinar alguns dos usos relevantes dessas duas palavras.

Plutarco (46-120 dC) usa katakalyptō para falar de um costume local de casamento quando diz:
“Na Boeotia, é costume, quando cobrem a noiva virgem, pôr sobre sua cabeça uma grinalda de aspargos selvagens.”

No livro apócrifo de Susanna (século 1 a 2 aC), katakalyptō é usado para se referir à sua cobertura material. Diz:
“Agora Susanna era uma mulher de grande requinte e aparência bonita. Como ela foi coberta, os homens maus ordenaram que ela fosse revelada, para que se alimentassem de sua beleza.” (Susanna 31-32 RSV)

Philo (20 aC a 50 dC) falando sobre uma mulher acusada de adultério diz:
“E o sacerdote pegará a cevada e a oferecerá à mulher, e lhe tirará a túnica na cabeça, para que seja julgada com a cabeça nua, e privada do símbolo da modéstia, que todas aquelas mulheres que estão acostumadas a vestir completamente sem culpa. ” (Leis especiais, III, 56)

Então ele continua alguns parágrafos depois:
“Quando todas essas coisas estiverem preparadas previamente, a mulher com a cabeça descoberta [akatakalyptō tē kephalē], carregando a farinha de cevada na mão, como já foi especificado, deve avançar.” (Leis especiais, III, 60)

As palavras gregas usadas para “cabeça descoberta” são akatakalyptō tē kephalē, que é a escolha exata das palavras de Paulo em 1 Coríntios 11: 5.

Apenas para que não haja mal-entendidos, o katakalypto por si só não se refere exclusivamente a véus. Muito parecido com o verbo inglês “cover”, exige contexto para saber o que se entende. Para mostrar uma variedade de usos, no Septuaginta, o katakalypto descreve a água que cobre o mar (Habacuque 2:14), gordura que cobre partes de um animal (Levítico 4: 8) e palavras que estão ocultas (Daniel 12: 9). No entanto, quando katakalypto ou akatakalyptos são usados para se referir à cabeça humana, sempre se refere a uma cobertura de material. Toda vez. Como esse é o caso, fica claro que, quando Paulo falou de kata kephalē, katakalyptō ou akatakalyptos, seus leitores o entenderiam como se referindo a uma cobertura de tecido, não ao cabelo de alguém.

Peribolaion

Analisamos cinco das seis referências para “cobrir” e “descobrir”. E vimos que, quando Paulo se refere a “cobertura”, ele chama kata kephalē ou katakalypto e “descobrir” akatakalyptos. Agora, vejamos a última palavra grega traduzida como “cobertura”, que vem do versículo 15.

 “Nem a própria natureza lhe ensina que se um homem tem cabelos compridos, isso é uma desonra, mas se uma mulher tem cabelos compridos, isso é uma glória para ela? Pois o cabelo dela lhe é dado para uma cobertura [peribolaion].” (1 Coríntios 11: 14–15)

Na única passagem que realmente fala sobre os cabelos longos de uma mulher, Paulo diferencia entre isso e a cobertura pedida no restante do capítulo usando uma palavra grega completamente diferente. No versículo em que ele está claramente falando sobre cabelos, ele chama a cobertura de peribolaion, enquanto no resto do capítulo, quando ele fala sobre como as mulheres devem adorar, ele usa katakalypto. Então, se o versículo 15 era um verso explicativo e Paulo estava realmente falando sobre comprimentos de cabelo o tempo todo, ele não chamaria de katakalypto o cabelo comprido de uma mulher?

Alguns objetam que a razão da diferença seja porque o peribolaion é a primeira instância nesta passagem em que “cobertura” é referida como substantivo. Embora esse uso da gramática seja verdadeiro, deve-se notar que peribolaion é de um grupo de palavras completamente diferente. Se Paulo estivesse se referindo à mesma cobertura e quisesse mencionar a forma substantiva, ele provavelmente a chamaria de kalymma. Essa é a forma substantiva do mesmo grupo de palavras, e o próprio Paulo usa essa palavra em outra de suas cartas para se referir a um véu (ver 2 Coríntios 3: 12-16).

Portanto, embora as versões em inglês da Bíblia traduzam ambas as palavras como cobertura, Paulo diferencia as duas coberturas usando palavras gregas diferentes.

Em vez de uma cobertura?

O segundo argumento principal para a visão de cabelos longos vem da palavra anti em grego. Em 1 Coríntios 11:15, isso é traduzido como a palavra “para”, onde diz “seu cabelo é dado a ela para uma cobertura”. O argumento é que “para” é uma tradução ruim e deve ser traduzida como “no lugar de”. Então eles interpretariam essa passagem como dizendo que o cabelo de uma mulher é dado a ela em vez de uma cobertura de tecido para a cabeça. Ou seja, se ela tem cabelos compridos, não precisa de mais nada. Embora seja verdade que a preposição anti possa se referir à substituição, esse não é seu significado exclusivo. O léxico grego BDAG indica que “anti” tem vários tipos de significados “da substituição à equivalência”.

O Dr. Thomas Schreiner, professor de Interpretação do Novo Testamento, Seminário Teológico Batista do Sul, afirma:
A preposição anti em 11:15 não precisa se referir à substituição. Também pode indicar equivalência. Este último faz mais sentido no contexto.
Para provar que isso é verdade, deixe-me mostrar alguns outros exemplos em que anti não se refere à substituição:
João 1:16 diz: “Porque de sua plenitude todos temos recebido, graça sobre [anti] graça” (ESV).
Em Atos 12:23, Lucas diz. “Imediatamente um anjo do Senhor o golpeou porque [anti hos] ele não deu a Deus a glória.
Finalmente, em 1 Tessalonicenses 5:15, Paulo diz: “Veja que ninguém retribui a ninguém o mal pelo [anti] mal” (ESV).
Em cada um dos três exemplos apresentados, anti não é usado para indicar substituição.
Agora que analisamos os principais argumentos para a visão “cabelos compridos”, voltemos nossa atenção para algumas razões adicionais pelas quais vejo duas coberturas distintas nesta passagem.

Cabelo Curto sendo Encurtado

Se o cabelo comprido é a única cobertura mencionada neste capítulo, o versículo 6 tem um grande problema. Deixe-me mostrar o que eu quero dizer.
Se o cabelo comprido fosse o mesmo que ser coberto de acordo com Paulo, o que seria descoberto? Significaria ter cabelo curto, certo? O oposto de coberto é descoberto, e o oposto de cabelo comprido é cabelo curto. Portanto, se é isso que Paulo tinha em mente, vamos fazer uma substituição de palavras no versículo 6. Onde vemos a palavra “cobrir a cabeça”, vamos substituí-la por “ter cabelos compridos”.

“Se uma mulher não [tem cabelos compridos], deixe-a também ser cortado o seu cabelo.” (1 Coríntios 11: 6)

Vamos ver novamente em outra tradução da Bíblia.

“Porque, se uma esposa não tem [tem cabelos compridos], então ela deve cortar o seu cabelo curto.” (1 Coríntios 11:6 esv)

Se uma mulher se recusar a ter cabelos longos, ela deve cortá-los curtos? Mas ela já teria cabelo curto! Este argumento não faz nenhum sentido. Paulo deve estar falando sobre uma cobertura artificial.

Alguns então se opõem à tradução da ESV de “cortar curo”. Eles entenderiam “cortar fora” (NASB) como sinônimo de raspado, tornando esse argumento menos absurdo. O argumento de Paul seria então transformado em “se uma mulher tem cabelo curto, ela deve raspar tudo”. O problema com esse argumento é que “cortar fora” não pode significar raspado nesse contexto.

A palavra grega traduzida como “cortar fora” é keirō. Esta palavra é usada novamente mais tarde nesta mesma passagem, e é diferenciada de “raspado”, que é a palavra grega xuraō.

Aqui está o que diz: “mas se é uma vergonha para uma mulher ter o seu cabelo cortado fora [keirō] ou a sua cabeça raspada [xuraō]”. Percebeu? Ele disse “ou” raspada. Portanto, enquanto “cortar” [keirō] pode ser usado para descrever uma cabeça raspada, Paulo não poderia ter isso em mente aqui. Se entendermos dessa maneira, o argumento dele se torna “se é vergonhoso para uma mulher ter o cabelo [raspado] ou a cabeça raspada“. Raspado ou Raspado? Mais uma vez isso simplesmente não faria sentido.

Nem Todo Tempo

Paulo se preocupa em cobrir apenas durante períodos específicos. Ele diz:

Todo homem que tem algo em sua cabeça enquanto ora ou profetiza desonra sua cabeça. Mas toda mulher que tem a cabeça descoberta enquanto ora ou profetiza desonra sua cabeça.” (1 Coríntios 11: 4-5)

Ele deixa claro que não está falando sobre o que acontece o tempo todo, mas está falando sobre o que acontece em um momento específico. É sobre o que se veste quando se envolve em atos de adoração. Portanto, o próprio fato de ele limitar a cobertura a um momento específicos indica que ele tem uma cobertura removível em mente. Isso é algo que você pode colocar e tirar, não o que é permanente como o nosso cabelo.

Gloria Velada

No versículo 15, o cabelo comprido de uma mulher é chamado de sua glória, enquanto anteriormente, no versículo 10, Paulo diz que uma mulher deve usar um “símbolo de autoridade” em sua cabeça. O fato de esses dois propósitos serem antitéticos mostra que mais de uma cobertura está sendo discutida. Cabelos longos são a glória de uma mulher, enquanto o véu encobre a glória e é um símbolo de autoridade. Essas não são a mesma coisa.

O estudioso de Grego Dr. Daniel Wallace diz sobre este ponto: “Os versículos 10 e 15 teriam que dizer a mesma coisa se o cabelo comprido fosse o mesmo que cobrir a cabeça. Mas isso dificilmente pode ser o caso. No v. 10, uma mulher é obrigada a usar um ‘símbolo de autoridade’. Esse símbolo representa sua submissão, não sua glória. . . Uma tradução literal seria: ‘é uma glória para ela’ ou ‘uma glória que se acumula para ela’ ou ‘para sua vantagem’. Com certeza esse não é o objetivo do v. 10!”

Conclusão

Enquanto afirmamos que o cabelo comprido de uma mulher é sua cobertura natural, vemos duas coberturas diferentes sendo discutidas neste capítulo. Um deles é o cabelo dela, que é natural, permanente e uma glória para ela (1 Coríntios 11: 14–15). O outro seria uma cobertura de tecido artificial, removível (1 Coríntios 11: 5) e um símbolo de autoridade (1 Coríntios 11:10). Uma mulher deve usar essa última quando “orar e profetizar”.

References

1.
  O primeiro defensor que pude encontrar foi Karl Christian Johann Holsten (1825–1897), um teólogo liberal alemão. Mais informações em http://www.headcoveringmovement.com/articles/where-did-the-long-hair-view-come-from.

Capítulo 7: Prescritivo: Por que esta prática não é relativa à liberdade cristã?

“Portanto, a mulher deve ter sobre a cabeça sinal de poderio, por causa dos anjos.”(v. 10). A palavra traduzida ‘deve’ tanto aqui como no versículo 7 é um termo forte que expressa obrigação ou dever; consequentemente, não há opção ou escolha no assunto “. 1) Michael P.V. Barrett, “Head Covering for Public Worship: An Exposition of 1 Corinthians 11:2–16,” http://www.headcoveringmovement.com/Michael-Barrett-Head-Covering-for-Public-Worship.pdf (Faith Free Presbyterian Church, 2003), acessado em 03/05/2016.

Dr. Michael Barrett, professor, Puritan Reformed Theological Seminary

 

A liberdade cristã é o direito de um cristão de tomar uma decisão sobre algumas questões que não são ordenadas por Deus. Com esses tipos de questões, existem parâmetros bíblicos que limitam nossas escolhas e princípios bíblicos que devem informar nossas escolhas, mas não há apenas necessariamente uma resposta correta para todos os cristãos. Esta ideia é ensinada em Romanos 14, onde o apóstolo Paulo diz:

“Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes.

O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu.

Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar.

Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente.

Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus.”

Romanos 14:2-6

Paulo diz que Deus não controla uma determinada dieta nem nos pede que guardemos certos dias. Portanto, uma pessoa pode ser vegetariana enquanto outra pode comer carne. Pode-se observar um dia como especial enquanto outro pode tratar todos os dias. Ambos podem manter suas opiniões contrárias enquanto vivem para a glória de Deus. Algumas outras áreas que são consideradas como liberdade cristã, seriam seu estilo de moda, em questão de mídia (televisão, música, notícias) e como eles votam nas eleições. Essas questões terão parâmetros e princípios escriturísticos para ajudar a orientar nossas escolhas, mas não há nenhuma ordenação explicita que permita apenas uma visão em certas questões relativas.

Assim, resumindo, na área de liberdade cristã, primeiro: não é comandada por Deus, e segundo: permite que os cristãos ocupem posições diferentes enquanto ainda glorificam a Deus.

A cobertura feminina é uma liberdade Cristã?

Em 1 Coríntios 11, a cobertura feminina é defendida como um imperativo bíblico para trazer a conformidade na prática (versículo 16). Por isso, não acredito que seja correto classificá-la como uma questão de liberdade cristã. Aqui estão cinco motivos do porque eu acredito que a cobertura feminina é uma ordenança:

  1. A cobertura da cabeça é um ensinamento que foi “segurado firmemente” pela igreja porque foi entregue com autoridade apostólica (1 Coríntios 11: 2). Questões de liberdade são deixadas geralmente para o cristão individualmente, não entregue às igrejas para que elas guardem isso.
  2. Paulo diz a quem não concorda com a cobertura feminina que as igrejas têm apenas uma visão, e essa é a sua prática (1 Coríntios 11:16). Questões de liberdade são marcadas por várias visões diferentes, e não como uma posição exclusiva.
  3. A estrutura da frase ordena uma ação: “Portanto, se a mulher não se cobre com véu, tosquie-se também. Mas, se para a mulher é coisa indecente tosquiar-se ou rapar-se, que ponha o véu.” (1 Coríntios 11:6). Questões de liberdade são marcadas pela ausência de um comando de ação direta.
  4. Paulo diz que não praticar a cobertura da cabeça é desonroso, vergonhoso e comparável a uma mulher com cabeça raspada (1 Coríntios 11: 4-6). Os problemas da liberdade são marcados por uma pluralidade de escolhas que podem trazer glória a Deus, enquanto Paulo diz que, neste caso, apenas uma escolha pode ser feita.
  5. Paulo defende a cobertura Cristã apelando para a ordem de Criação, a natureza e os anjos. As questões da liberdade são marcadas muitas vezes pelo silêncio nas Escrituras, não por uma defesa bíblica.

Por estas razões, acredito que a cobertura feminina é uma ordem bíblica que deve ser praticado por todos os cristãos.

Nós “devemos” praticá-la.

Alguns sugeriram que a cobertura feminina não é um mandamento bíblico porque Paulo nos diz que “devemos” praticá-lo, e não somos obrigados.

A palavra grega por trás do “dever” é opheilō, e ocorre trinta e cinco vezes no Novo Testamento. Em suas várias ocorrências é traduzido como devedor, obrigado, deve e até mesmo mandado (com algumas outras palavras que estão intimamente relacionadas). Em todos os casos, opheilō é destinado a levar a pessoa a uma prática apenas. Não traz a conotação de escolha, mas de obrigação.

Por exemplo, Paulo diz: “Maridos também devem amar suas próprias esposas” (Efésios 5:28), e João diz: “Também devemos nos amar uns aos outros” (1 João 4:11). Esses são mandamentos bíblicos, e não questões de liberdade. Não se pode reter o amor de uma esposa ou de outros cristãos enquanto queremos ainda glorificar a Deus. Quando Paulo nos diz que um homem “não deve cobrir a cabeça” (1 Coríntios 11: 7) e que ” a mulher deve ter sobre a cabeça sinal de poderio…” (1 Coríntios 11:10), ele está falando de algo que precisamos fazer, não algo que possamos escolher se quisermos fazer.

Que diferença faz?

Tendo defendido um caso do por que a cobertura feminina deve ser entendida como um mandamento, vejamos agora a diferença que isso faz. O que queremos dizer (e não queremos dizer) quando chamamos algo de mandamento?

Um Mandamento Bíblico:

  • não significa que você não pode discordar da interpretação (e, portanto, não guarda-lo).
  • não significa que ele deve ser aplicado por uma outra pessoa (embora isso possa ser perfeitamente aceitável, dependendo da circunstância, ou seja, um pastor sobre sua congregação).

Dito isto, há algumas diferenças importantes para a forma como interagimos com um mandamento em contraste com uma questão de liberdade cristã.

Um Mandamento Bíblico:

  • significa que se você está convencido de que a interpretação está correta, você é obrigado a observá-lo.
  • significa que você pode persuadir e exortar os outros a observá-lo sem ser legalista.

Eu entendo que chamar isso de um mandamento pode ser desconfortável com alguns que leem isso. Afinal, não estamos sob Graça e libertados da Lei? Não estou sugerindo um retorno salvífico da Lei, do qual fomos libertados (Romanos 7: 6). No entanto, estou enfaticamente afirmando que o cristianismo não é uma religião da ilegalidade (Mateus 7:23). Paulo disse que estamos sob a “lei de Cristo” (1 Coríntios 9:21), e Jesus disse: “Se você me ama, você guardará os meus mandamentos” (João 14:15). Isso significa que o cristianismo e os mandamentos não são antitéticos.

Embora a captação da cabeça tenha sido ensinada por Paulo (e não por Jesus), somos informados de que “Toda a Escritura é inspirada por Deus” (2 Timóteo 3:16), e o apóstolo Pedro considerou os escritos de Paulo como também as Escrituras (2 Pedro 3: 15- 16). Isso significa que as letras negras não são menos inspiradas do que as vermelhas. Desde que 1 Coríntios 11 é escrito por Deus, os crentes devem estudar esta passagem com o mesmo vigor que eles fazem com o resto das Escrituras. Se eles estão convencidos de que uma cobertura cristã está à vista e é um símbolo intemporal, eles são obrigados a guardar este mandamento e podem ensinar e exortar outros a fazer o mesmo.

References

1.
 Michael P.V. Barrett, “Head Covering for Public Worship: An Exposition of 1 Corinthians 11:2–16,” http://www.headcoveringmovement.com/Michael-Barrett-Head-Covering-for-Public-Worship.pdf (Faith Free Presbyterian Church, 2003), acessado em 03/05/2016.

Capítulo 6: Prática da Igreja: A visão exclusiva das primeiras igrejas

“Paulo ensinou a todas as igrejas este costume e esperava que o seguissem. Nesta declaração final ele corta todos os outros argumentos apelando ao uso cristão universal [da cobertura feminina]”. 1) Mary Kassian, Women, Creation and the Fall (Crossway Books, 1990), 100.

Mary A. Kassian, professora de estudo de mulheres, Southern Baptist Theological Seminary

 

A palavra final de Paulo em relação à cobertura da cabeça fornece um dos argumentos mais fortes a favor dele: a prática uniforme de todas as igrejas. Aqui está o que ele diz:

“Contudo, se alguém quer ser contencioso, saiba que nós não temos tal costume, nem as igrejas de Deus.”(1 Coríntios 11:16)

Enquanto a maioria das pessoas na igreja de Corinto realizava a prática da cobertura da cabeça, havia obviamente alguns que tinham problemas com ela. Paulo diz a essas pessoas que, se elas são contenciosas, elas estão sozinhas. Todos os apóstolos e todas as igrejas locais praticavam a doutrina da cobertura feminina.

Tal costume?

Você pode se perguntar, por que eu digo que eles seguraram a prática de cobertura da cabeça quando o que ele realmente diz é que eles não têm “tal prática”? A fim de resolver esta aparente discrepância, devemos definir “prática”, olhando para o seu mais próximo antecedente. Entendemos que se eu disser: “Ele não quer ir lá”, você só pode saber quem “ele” é e onde “lá” é olhando para a frase anterior para encontrar os antecedentes dessas palavras. Da mesma forma, só podemos saber o que a “prática” é olhar para os versos anteriores. Essa é a chave para interpretar corretamente esta passagem. Vamos começar no versículo 13 para que você possa ver isso por si mesmo.

“Julgai entre vós mesmos: é próprio que a mulher ore a Deus sem trazer o véu?Ou não vos ensina a própria natureza ser desonroso para o homem usar cabelo comprido?E que, tratando-se da mulher, é para ela uma glória? Pois o cabelo lhe foi dado em lugar de mantilha.Contudo, se alguém quer ser contencioso, saiba que nós não temos tal costume, nem as igrejas de Deus.”(1 Coríntios 11:13-16)

O início deste verso onde ele diz “julgue entre vós mesmos” é o começo de um novo pensamento. Ele está dando um novo argumento, que vem da natureza, e ele faz isso perguntando retóricamente: “é próprio que a mulher ore a Deus sem trazer o véu?” Esta é a questão em discussão. Ele então prossegue para fazer seu argumento apontando para comprimentos de cabelo antes de chegarmos ao verso que estamos falando. Deve-se notar que o antecedente mais próximo para a “prática” não é a cobertura da cabeça, que não foi mencionada desde o versículo 10, mas sim a prática de mulheres orando descobertas (1 Coríntios 11:13).

Assim, Paulo está dizendo que, se alguém está sendo polêmico, as igrejas não têm “tal prática” como a que a pessoa contenciosa está defendendo (ou seja, as mulheres orando com cabeças descobertas). Paulo não está dizendo que não há uma posição oficial sobre a cobertura da cabeça – ele acabou de dar essa defesa. É por isso que outras versões tentam tornar este versículo mais legível ao traduzi-lo: “Não temos outra prática, nem as igrejas de Deus” (1 Coríntios 11:16). É menos literal, mas tenta trazer para fora o significado verdadeiro mais claramente. 2) As notas de rodapé da NASB (New American Standard Bible) afirmam que  “tal prática” é a leitura literal. Eles dão uma tradução menos literal para a legibilidade. Assim, essa tradução assume que a prática é cobertura da cabeça.

Tertuliano, um apologista cristão que viveu entre cerca de 155 a 220 dC, escreveu muitos livros teológicos. Em um deles, O Véu das Virgens (The Veiling of Virgins), ele argumentou a partir da Escritura e da tradição que todas as mulheres devem ter suas cabeças cobertas, não apenas aquelas que estão casadas. Há uma declaração muito útil que ele fez sobre a igreja em Corinto em seu dia, aproximadamente 150 anos depois que Paulo escreveu sua primeira carta para eles. Ele diz:

“Assim também os próprios coríntios entenderam [Paulo]. Na verdade, até nos dias de hoje os coríntios cobrem as suas virgens com véu. O que os apóstolos ensinaram, seus discípulos aprovam.” 3) Tertullian, “On the Veiling of Virgins,” 33.

Tendo observado a igreja de Corínto do terceiro século, Tertuliano, em essência, diz: “Eles entenderam que Paulo queria dizer que todas as mulheres devem usar véu para a cabeça. Isso é evidenciado pelo fato de que até hoje é praticado por elas.”

Este ensinamento continuou sendo a prática padrão da maioria das igrejas ao longo da maioria da história da igreja. Como R.C. Sproul Sr. nota: “O uso da cobertura feminina na adoração foi universalmente a prática de mulheres cristãs até o século XX. O que aconteceu? De repente, descobrimos alguma verdade bíblica para a qual os santos por milhares de anos eram cegos? Ou será que nossas visões bíblicas de mulheres foram gradualmente corroídas pelo movimento feminista moderno que se infiltrou na Igreja de Jesus Cristo, que é “o pilar e o fundamento da verdade”? 4) Greg Price, “Head coverings in Scripture,” http://www.albatrus.org/english/living/modesty/headcoverings_in_scripture.htm, acessado em 23 de agosto 2015.

A cobertura feminina não é uma doutrina nova e estranha. Esta é uma velha doutrina, baseada na Bíblia e compreendida dessa maneira pela maioria ao longo da história da igreja. A cobertura feminina foi praticada em todas as igrejas através dos séculos, e nós somos a exceção de hoje. Está na hora de mudarmos isso!

Temos uma última consideração antes de terminar o respaldo bíblico para a cobertura da cabeça. Vou mostrar a você cinco razões pelas quais esta prática é um mandamento bíblico, não uma questão de liberdade cristã.

References

1.
 Mary Kassian, Women, Creation and the Fall (Crossway Books, 1990), 100.
2.
 As notas de rodapé da NASB (New American Standard Bible) afirmam que  “tal prática” é a leitura literal. Eles dão uma tradução menos literal para a legibilidade. Assim, essa tradução assume que a prática é cobertura da cabeça.
3.
 Tertullian, “On the Veiling of Virgins,” 33.
4.
 Greg Price, “Head coverings in Scripture,” http://www.albatrus.org/english/living/modesty/headcoverings_in_scripture.htm, acessado em 23 de agosto 2015.

Capitulo 5: Natureza: O que o nosso cabelo nos ensina sobre a cobertura da cabeça.

“O cabelo comprido é uma indicação da ‘natureza’ da diferenciação entre homens e mulheres, pelo que a cobertura da cabeça requerida está de acordo com o que a ‘natureza’ ensina. 1) John Murray, “Head Coverings and Decorum in Worship: A Letter to Mr. V. Connors” acessado em 27/04/2015: http://www.headcoveringmovement.com/articles/head-coverings-and-decorum-in-worship-a-letter-by-john-murray.

John Murray, professor, Westminster Theological Seminary, 1930-66

O argumento de Paulo sobre a natureza é provavelmente o mais confuso e mal compreendido de todas as suas razões. Ele apela para o bom senso de uma pessoa do que é certo, com base no que a natureza nos ensina sobre nossos comprimentos de cabelo. Aqui está o que ele diz:

“Julgai entre vós mesmos: é próprio que a mulher ore a Deus sem trazer o véu? Ou não vos ensina a própria natureza ser desonroso para o homem usar cabelo comprido? E que, tratando-se da mulher, é para ela uma glória? Pois o cabelo lhe foi dado em lugar de mantilha.” (1 Coríntios 11:13-15)

Uma pergunta retórica, de acordo com o Merriam-Webster Dictionary, é “feita para fazer uma declaração ao invés de obter uma resposta”. Isto é o que Paulo está fazendo quando pergunta: “É apropriado?” Sabemos disso principalmente porque ele acabou de terminar uma longa defesa apologética do porquê devemos praticar a cobertura feminina. Ele não iria, então, derrubar isso tudo, permitindo que outros escolhessem se desejam obedecer a uma doutrina enraizada na Criação. Pelo contrário, Paulo está declarando que o debate está encerrado. Ele está dizendo: “Vocês todos sabem que esta é a única opção correta.” Ninguém diria que é apropriado para uma mulher orar descoberta na igreja. A razão pela qual todos concordariam é porque entenderam que uma cobertura de cabeça neste contexto é um sinal de feminilidade bíblica. Ela proclama visivelmente que uma mulher alegremente aceita a estrutura de autoridade vinda de Deus para sua vida.

Algumas pessoas pensam que quando Paulo diz “julgai entre vós mesmos” ele está dizendo que temos a liberdade de decidir se as mulheres devem ou não orar cobertas. Para mostrar que isso não é o que ele quis dizer, vamos examinar algumas passagens semelhantes.

“Falo como a criteriosos; julgai vós mesmos o que digo. Porventura, o cálice da bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é a comunhão do corpo de Cristo?” (1 Coríntios 10:15-16)

Quando Paulo pede aos coríntios que “julgueis vós mesmos”, ele está dizendo que existem duas opções perfeitas e que só precisam escolher aquela que funciona melhor para elas? Aquele que toma da Santa Ceia participa do sangue e do corpo de Cristo, mas o outro não? Ou melhor, a resposta implica que a Santa Ceia é participação em Cristo?

Mas Pedro e João lhes responderam: Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus; pois nós não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos. (Atos 4:19-20)

Quando Pedro e João pedem ao conselho da igreja que “julguem”, eles estão dizendo que há duas opções perfeitamente corretas? Um escolhe obedecer a Deus, mas o outro escolhe atender a instrução do homem? Ou, melhor dizendo, a resposta implica que, sim, devemos obedecer a Deus e não ao homem? Julgai por vós mesmos.

Então, assim como os outros exemplos, Paulo não está dando duas opções iguais. Ele acabou de dizer “toda mulher que tem a cabeça descoberta enquanto ora ou profetiza desonra sua cabeça” (1 Coríntios 11: 5). A resposta à pergunta de Paulo está implícita: não é apropriado para uma mulher orar descoberta, e é por isso que ele disse: “cumpre-lhe usar véu” (1 Coríntios 11: 6).

Definindo a Natureza

Agora Paulo passa da sua pergunta retórica a uma discussão sobre o que a “natureza” nos ensina. Para entender corretamente seu argumento, primeiro precisamos definir o que significa a palavra natureza (no grego: physis).

O léxico do BDAG 2) BDAG significa Bauer, Danker, Arndt e Gingrich. Este é o Léxico grego-inglês deles do Novo Testamento.  diz que é a “ordem regular ou estabelecida das coisas”, 3) W. Arndt, F. W. Danker, and W. Bauer, A Greek-English Lexicon of the New Testament and Other Early Christian literature, 3rd ed. (Chicago: University of Chicago Press, 2000), 1070.  e o léxico Abbott-Smith diz que é “a ordem regular ou a lei da natureza”. 4) G. Abbott-Smith, A Manual Greek Lexicon of the New Testament (New York: Charles Scribner’s Sons, 1922), 476.  Então estamos falando de coisas que são intrínsecas. Em seguida, eu quero levá-lo um pouco mais fundo nesta questão e realmente olhar como Paulo usa esta palavra em outra passagem.

Ele diz:

“Quando, pois, os gentios, que não têm lei, procedem, por natureza [physis], de conformidade com a lei, não tendo lei, servem eles de lei para si mesmos. Estes mostram a norma da lei gravada no seu coração, testemunhando-lhes também a consciência e os seus pensamentos, mutuamente acusando-se ou defendendo-se,” (Romanos 2:14-15)

Aqui, Paulo ensina que os seres humanos, por “natureza”, têm um sentido inato de certo e errado. Ele diz ainda que a “natureza” se alinha à Lei escrita de Deus. Dado que esse é o caso, seria errôneo defini-lo como uma opinião cultural, porque muitas vezes é contrário ao que Deus declarou. No Novo Testamento, “physis” aparece catorze vezes, e, sempre que é usada, ela se refere a uma parte da Criação de Deus ou à ordem estabelecida. Isto significa que os homens com cabelos curtos e as mulheres com cabelos longos não é uma invenção cultural, mas uma parte da ordem natural, que se destina a distinguir entre os sexos.

O que os nossos cabelos nos ensinam

Agora que entendemos que a “natureza” é a ordem estabelecida por Deus, precisamos descobrir porque Paulo começa a falar sobre comprimentos de cabelo e como ele vê isso como ajuda ao seu argumento 5) Alguns acreditam que Paulo não está apoiando seu argumento, mas sim o definindo. Isso significa que eles discordam que Paulo estava sempre falando sobre uma cobertura artificial e só tinha comprimento de cabelo em mente. Eu darei argumentos contra esta objeção no capítulo oito.  para a cobertura feminina. Vamos dar uma olhada em nosso verso novamente:

Julgai entre vós mesmos: é próprio que a mulher ore a Deus sem trazer o véu? Ou não vos ensina a própria natureza ser desonroso para o homem usar cabelo comprido? E que, tratando-se da mulher, é para ela uma glória? Pois o cabelo lhe foi dado em lugar de mantilha. (1 Coríntios 11:13-15)

Paulo diz que sabemos que é correto que as mulheres orem cobertas até porque a natureza já mostrou que é apropriado dar às mulheres uma cobertura natural de cabelo. Assim, o mandamento para uma cobertura artificial (em momentos específicos) está em conformidade com o que ela já possui (uma cobertura para o tempo todo). Da mesma forma, é correto para os homens orarem descobertos porque a propriedade natural determinou que os homens devem manter seus cabelos curtos, para que isso não se torne uma cobertura.

Este mandamento de orar descoberto (em momentos específicos) está de acordo com o que a natureza determinou para eles (o tempo todo). Além disso, os comprimentos dos cabelos servem para distinguir os sexos, e Paulo diz que quando desconsideramos isso – com homens com cabelos longos e mulheres com cabelos curtos 6) ”Longo” deve ser entendido como em contraste com o comprimento dos penteados curtos dos homens onde quer que se viva. Assim como vestir modestamente, existem alguns equipamentos que claramente não se encaixam no rótulo, não importa a cultura. Da mesma forma, existem alguns penteados que não poderiam ser chamados de “longos” não importa onde se vive. No entanto, há uma quantidade razoável de subjetividade para ele também. Quando o cabelo de uma mulher é chamado uma cobertura (1 Coríntios 11.15), a palavra grega usada é “peribolaion”. Esta palavra indica algo que pode ser “envolvido ao redor.” Assim os homens devem manter seus cabelos curtos o suficiente para que não possam ser envolvidos em torno de suas cabeças.  – traz-se desonra a uma pessoa. Isso também está de acordo com o seu ensinamento sobre como devemos adorar, uma vez que as mulheres que oram descobertas e os homens que oram cobrindo suas cabeças ambos desonram suas cabeças (1 Coríntios 11.4,5).

Gênero Como alguém deve se vestir enquanto “ora e profetiza” (1 Cor 11.4,5) Como o comprimento de cabelo da pessoa deve ser naturalmente. (1 Cor 11.14-15) O que acontece quando alguém desobedece a essas distinções de gênero (1 Cor 11.4,5, 14,15)
Homem Descoberto (nada artificial sobre sua cabeça) Descoberto (cabelo curto) Desonra
Mulher Coberta (alguma coisa artificial cobrindo sua cabeça) Coberta (cabelo longo) Desonra

 

Homossexualismo e cabelo

Agora eu sei que você provavelmente está pensando: “poderia haver algo menos significativo à vista de Deus do que como usamos nossos cabelos?” É verdade que, comparativamente falando, isso é algo pequeno. Mas quero encorajá-lo a não tratar algo como insignificante se a Palavra de Deus diz que é desonroso caso você desobedeça este mandamento (1 Coríntios 11.4,5).

Também precisamos tratar a questão com seriedade se quisermos ser consistentes em defender a heterossexualidade como algo natural. Este exemplo é importante para esta discussão, porque o apóstolo Paulo condenou tanto a homossexualidade como os homens que tem cabelos longos usando as mesmas palavras gregas. Ele diz que ambos estão contra a natureza (physis) e ambos são desonrosos ou vergonhosos (atimia). Olhe essas duas passagens lado a lado, prestando muita atenção às palavras gregas entre colchetes.

“Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames [atimia]; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza[physis]; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.” (Romanos 1:26-27)

“Ou não vos ensina a própria natureza[physis] ser desonroso[atimia] para o homem usar cabelo comprido? E que, tratando-se da mulher, é para ela uma glória? Pois o cabelo lhe foi dado em lugar de mantilha.” (1 Coríntios 11:14-15)

Nestas duas passagens temos o mesmo autor (Paulo), fazendo o mesmo julgamento moral (desonroso = atimia), apelando à mesma razão (natureza = physis). Portanto, se quisermos ser consistentes, devemos tratar os dois da mesma forma. Bem, para esclarecer, isso não quer dizer que ambos são igualmente desonrosos. Paulo também nos ensinou que existem diferentes graus de pecado, com o pecado sexual tendo seu próprio nível (1 Coríntios 6.18).

No entanto, o que não podemos dizer é que uma dessas passagens se refere a uma invenção cultural enquanto a outra é estabelecida por Deus. No mundo ocidental de hoje, o homossexualismo tornou-se culturalmente aceitável, assim como tem sido o cabelo curto em mulheres e cabelos longos em homens. No entanto, só porque a cultura permite certo tipo de prática, isso não quer dizer que ela esteja correta.

Resumo

Então, enquanto a cobertura da cabeça é ensinada explicitamente nas Escrituras, ela é confirmada, também, pelo que a natureza ensina silenciosamente. Ela demonstra-nos que o cabelo dado a cada sexo confirma a adequação da cobertura da cabeça, uma vez que os dois estão em linha um com o outro. Ela também nos ensina que é desonroso quando desconsideramos uma distinção de gênero. Assim como é impróprio fazer isso com nossos comprimentos de cabelo, assim é com cobertura de cabeça enquanto “oramos e profetizamos”.

Agora, enquanto continuamos a mover-nos através da carta de Paulo, descobriremos que a cobertura da cabeça não se limitava à congregação de Corinto, mas era a prática de todas as igrejas.

References

1.
 John Murray, “Head Coverings and Decorum in Worship: A Letter to Mr. V. Connors” acessado em 27/04/2015: http://www.headcoveringmovement.com/articles/head-coverings-and-decorum-in-worship-a-letter-by-john-murray.
2.
 BDAG significa Bauer, Danker, Arndt e Gingrich. Este é o Léxico grego-inglês deles do Novo Testamento.
3.
 W. Arndt, F. W. Danker, and W. Bauer, A Greek-English Lexicon of the New Testament and Other Early Christian literature, 3rd ed. (Chicago: University of Chicago Press, 2000), 1070.
4.
 G. Abbott-Smith, A Manual Greek Lexicon of the New Testament (New York: Charles Scribner’s Sons, 1922), 476.
5.
 Alguns acreditam que Paulo não está apoiando seu argumento, mas sim o definindo. Isso significa que eles discordam que Paulo estava sempre falando sobre uma cobertura artificial e só tinha comprimento de cabelo em mente. Eu darei argumentos contra esta objeção no capítulo oito.
6.
 ”Longo” deve ser entendido como em contraste com o comprimento dos penteados curtos dos homens onde quer que se viva. Assim como vestir modestamente, existem alguns equipamentos que claramente não se encaixam no rótulo, não importa a cultura. Da mesma forma, existem alguns penteados que não poderiam ser chamados de “longos” não importa onde se vive. No entanto, há uma quantidade razoável de subjetividade para ele também. Quando o cabelo de uma mulher é chamado uma cobertura (1 Coríntios 11.15), a palavra grega usada é “peribolaion”. Esta palavra indica algo que pode ser “envolvido ao redor.” Assim os homens devem manter seus cabelos curtos o suficiente para que não possam ser envolvidos em torno de suas cabeças.

Capítulo 4: Os Anjos: Considerando o Anfitrião Celestial

“A Escritura ensina que quando os cristãos se reúnem, e quando se reúnem em oração, então os anjos de Deus estão presentes e as mulheres devem cobrir-se quando participam na oração pública por causa da presença dos anjos. É uma coisa tremenda e notável” 1) Martyn Lloyd Jones, Great Doctrines of the Bible, (Carol Stream, Illinois: Crossway Books, 2003), 110.

Dr. Martyn Lloyd-Jones, ex-ministro da Capela de Westminster em Londres

 

Quando se trata de versículos que os cristãos admitem que não entendem, 1 Coríntios 11.10 é o versículo que está no topo da maioria de nossas listas. Aqui está o que essa passagem diz:

“Portanto, deve a mulher, por causa dos anjos, trazer véu na cabeça, como sinal de autoridade.”

O apóstolo Paulo nos disse que as mulheres devem cobrir suas cabeças por causa dos anjos. Portanto, não importa o que este versículo significa em sua plenitude, o que sabemos é que temos uma de suas razões para praticar este símbolo.

Este ponto deve ser levado em alta consideração. Nós não procuramos entender o que este versículo significa para que ele se torne evidência para a cobertura da cabeça. Pelo contrário, por ser uma razão, buscamos, portanto, compreendê-la.

A dificuldade para nós é que Paulo diz isso de passagem, sem explicar o que ele quis dizer. Uma razão provável para isso é que a igreja em Corinto compreendeu o que Paulo queria dizer, portanto, uma explicação seria desnecessária. Em sua carta aos tessalonicenses, ele disse que havia explicado detalhes sobre a Segunda Vinda de Cristo a eles quando estava com eles (2 Tessalonicenses 2.5). Isso também pode ser uma dessas doutrinas articuladas enquanto estavam em sua presença.

Uma vez que este é um versículo muito curto e vago, não há nenhuma maneira para podermos saber, com absoluta certeza, o que isso significa. No entanto, não ficamos totalmente no escuro. Há uma indicação no grego que nos ajuda a identificar a quais anjos Paulo estava se referindo. Há também outros textos na Escritura sobre esses seres que acredito que possam lançar uma luz sobre esta passagem. Comecemos por identificar se Paulo estava falando sobre anjos bons ou maus.

Anjos: Bons ou Maus?

Na gramática, o artigo definido é usado para modificar um substantivo. É preciso uma pessoa, lugar ou coisa para indicar que você não está se referindo ao substantivo em geral, mas sim que você tem uma referência específica em mente. Este artigo definitivo mostra-se, em português, como a palavra “os”. Assim, como um exemplo, se eu dissesse “ela ama chocolate,” é um uso muito amplo e poderia se referir todo o chocolate. Entretanto, adicionando o artigo definido, transformamos a frase em “ela ama o chocolate.” Isto indica ao leitor que o chocolate ao qual se refere é um tipo específico.

Na língua grega também há o artigo definido 2) Em português há artigos definitivos e indefinidos. Em grego, tal distinção não existe; por isso é realmente apenas um “artigo”.  e em 1 Coríntios 11.10 é usado quando Paulo diz “por causa dos anjos”. Isso indica que Paulo não está falando de todos os anjos, mas tem anjos específicos em mente.

De acordo com o Dr. David E. Garland, “Paulo nunca usa a palavra ‘anjos’ com um artigo definido para se referir a anjos maus” 3) David E. Garland, First Corinthians  (Baker Academic, 2003), 527. . Da mesma forma, Robertson e Plummer afirmam que “anjos maus não podem ser inseridos no texto. O artigo é contra eles: ἄγγελος, que sempre significa anjos bons.” 4) Archibald T. Robertson and Alfred Plummer, A Critical and Exegetical Commentary on the First Epistle of St. Paul to the Corinthians (T&T Clark, 1911), 233. (Quando eles mencionam “ἄγγελος sempre significa anjos bons”, isto deve ser entendido como quando a palavra é usada com o artigo grego nas cartas de Paulo.) . Portanto, quando Paulo diz que mulheres deveriam usar um símbolo de autoridade sobre suas cabeças “por causa dos anjos”, é provável que ele tivesse os anjos santos em mente.

Para o Seu benefício

O propósito da cobertura da cabeça é fornecer um símbolo visual da ordem criada por Deus à igreja reunida. Se os anjos são uma razão pela qual obedecemos a este mandamento, pressupõe-se que eles devem estar nos observando enquanto adoramos a Deus. Uma compreensão do por que praticamos a cobertura da cabeça é para que possamos justamente simbolizar a ordem criacional para todos os presentes, tanto os visíveis como os invisíveis.

Paulo disse: “para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais” (Efésios 3.10).

Esses principados e potestades são os anjos de Deus (Colossenses 1.16; 1 Pedro 3.22). Vemos nessa passagem o que o nosso Senhor está fazendo através da igreja e isso demonstra como Ele é incrivelmente sábio. Pedro descreve que os anjos “anelam perscrutar” o que Deus está fazendo (1 Pedro 1.12). Eles são cativados pelo que Deus está fazendo e querem ver mais dEle. Creio que este é um desejo que Deus teria prazer em cumprir. Permitir que os anjos nos observem adorar a Ele poderia ser uma forma de cumprir esse desejo.

Eu amo pensar sobre o que os anjos devem estar pensando, até porque eles têm uma perspectiva única. Os anjos foram os primeiros da criação de Deus. Sabemos que viram toda a história se desdobrar porque Deus disse a Jó que os anjos se alegravam de vê-Lo fazer o mundo (Jó 38.4-7).

Os anjos passaram todas as suas vidas na presença de um Deus santo e perfeito. Eles O viram criar um mundo perfeito, onde não havia pecado, morte ou sofrimento. Esses conceitos eram desconhecidos para eles. Então um dos seus, Satanás, rebelou-se contra Deus. Deus o colocou fora de Sua presença para sempre, juntamente com os anjos que o seguiram (Judas 6). Não há oportunidades para o arrependimento [para eles] e ninguém para interceder em seus nomes. Os anjos sabem que o pecado tem um custo muito alto.

Então, como uma repetição, o primeiro casal que Deus criou também pecou. No entanto, há uma torção neste enredo. Deus mata um animal em seu lugar e lhes promete um Redentor. Ele, então, separa um grupo desses humanos pecaminosos para mostrar Seu amor e carinho. Isso culmina com o próprio Deus entrando no mundo em carne humana. O Salvador vive uma vida perfeita e depois a estabelece como um sacrifício sem mácula. O Pai o abate, o Cordeiro de Deus, para que os filhos do diabo, que merecem o mal, possam ser totalmente perdoados e adotados em Sua família. Que história! Não é de admirar que os anjos anseiem olhar para isso.

Agora, coloque-se no lugar deles enquanto eles observam as pessoas reunidas de Deus adoração.

Eles veem inimigos de Deus, agora, adorando-O porquê foram perdoados e redimidos. Eles veem judeus e gentios adorando juntos como membros de um corpo em unidade. Eles veem machos e fêmeas adorando juntos como iguais [em seu ser]. Além de tudo isso, através da cobertura da cabeça, nossas mulheres mostram a todos os presentes que sua posição como mulher também é redimida. Já não estão em guerra, usurpando e desejando a posição de autoridade do homem (Gênesis 3.16). Em vez disso, elas estão satisfeitas com o papel que Deus ordenou para elas em Gênesis 2.

Os homens, da mesma forma, por suas cabeças nuas, comunicam que exercerão autoridade em seus respectivos papéis. No entanto, já não será através da dominação (Gênesis 3.16) ou por passividade, como o primeiro Adão. Sua posição como homem também é redimida.

Ao observarem isto, os anjos devem clamar: “Eis a multiforme sabedoria de Deus!”.

Não vamos esquecer que, como seres sem pecado, eles seriam muito mais sensíveis ao pecado. Se somos desonrosos e vergonhosos em uma perspectiva humana (1 Coríntios 11.4-6), como devemos olhar para os anjos, se desobedecermos a este mandamento? Se não orarmos e profetizarmos como Deus disse, a única coisa que podemos estar simbolizando para eles é a distorção do papel de Gênesis 3!

Para o nosso benefício

As Escrituras também parecem sugerir que anjos podem estar relatando a Deus se estamos ou não obedecendo a Ele. Deixe-me explicar o que quero dizer. No dia do juízo temos que dar conta de tudo o que dissemos (Mateus 12.36) ou fizemos (1 Coríntios 3.13).

Então Deus deve estar mantendo um registro. Além disso, há versículos que falam dos modos de como as nossas orações são impedidas, como, por exemplo, negligenciar os pobres (Provérbios 21.13) ou ser um mau marido (1 Pedro 3.7). Esses são pecados que devem ser observados, registrados e relatados.

Bem, Deus é onisciente, então Ele conhece todas as coisas. No entanto, Ele pode optar por usar meios específicos para receber essa informação se Ele desejar. Por exemplo, Deus escolhe julgar os mortos “conforme o que se achava escrito nos livros.” (Apocalipse 20.12).

Ele não precisa de um livro, mas escolhe usar um para registrar as ações das pessoas. Do mesmo modo, Deus não precisa de ninguém nem de nada para deixá-Lo saber quem está sendo obediente aos Seus mandamentos, mas há uma implicação bíblica para que o Pai escolha ter essa informação apresentada a Ele por anjos. Aqui está o que Jesus disse:

“Vede, não desprezeis a qualquer destes pequeninos; porque eu vos afirmo que os seus anjos nos céus veem incessantemente a face de meu Pai celeste.” (Mateus 18.10).

Quando alguém comete um pecado contra um “pequenino”, Deus não apenas diz: “Eu sei sobre isso.” Ele diz que seu anjo vem até Ele. A implicação é que o anjo estaria relatando a Deus o que tinha acontecido.

Vamos dar uma olhada em outro versículo:

“Conjuro-te, perante Deus, e Cristo Jesus, e os anjos eleitos, que guardes estes conselhos, sem prevenção, nada fazendo com parcialidade.” (1 Timóteo 5.21)

Quando Paulo deixou as suas ordenanças com Timóteo, ele lembrou-lhe que o que foi ordenado, foi feito “na presença dos anjos eleitos.” É como se ele estava dizendo “os anjos são testemunhas do que eu te mandei e eles estarão assistindo.”.

Entender que estamos sendo observados e responsabilizados serve para nos humilhar em nossos esforços em obediência. Nossas vidas não são privadas, mas vividas diante de um público cósmico.

Enfim, mesmo que eu tenha falhado em minha explicação, a razão ainda é clara: devemos obedecer “por causa dos anjos”. As crianças podem imaginar por que seu pai pediu para fazer tal e tal coisa, mas o ponto principal não deve ser desperdiçado. Independentemente da razão, tanto a ordenança quanto a pessoa que deseja obediência são muito claros.

Obtendo o público certo

Quero terminar com um último ponto. Mais adiante (no capítulo 9) discutiremos a visão popular de que a prática da cobertura da cabeça era apenas para aquela cultura. Esse argumento baseia-se na premissa de que este símbolo é apenas para os seres humanos e que era importante para não ofender seus costumes locais. Mas aqui Paulo contradiz diretamente esse sentimento mostrando-nos que nós o fazemos para um grupo de seres completamente diferente.

Esta prática não é apenas uma testemunha para as pessoas, mas para os anjos, que não mudam e não têm práticas culturais. Esta, então, é uma razão forte de porque a cobertura feminina é atemporal e transcultural.

À medida que avançamos através da carta de Paulo, voltemos nossa atenção para o que ele diz sobre a natureza e como isso atesta, através do comprimento dos nossos cabelos, que a prática da cobertura da cabeça é correta.

References

1.
 Martyn Lloyd Jones, Great Doctrines of the Bible, (Carol Stream, Illinois: Crossway Books, 2003), 110.
2.
 Em português há artigos definitivos e indefinidos. Em grego, tal distinção não existe; por isso é realmente apenas um “artigo”.
3.
 David E. Garland, First Corinthians  (Baker Academic, 2003), 527.
4.
 Archibald T. Robertson and Alfred Plummer, A Critical and Exegetical Commentary on the First Epistle of St. Paul to the Corinthians (T&T Clark, 1911), 233. (Quando eles mencionam “ἄγγελος sempre significa anjos bons”, isto deve ser entendido como quando a palavra é usada com o artigo grego nas cartas de Paulo.)

Send this to a friend