fbpx

Navigate / search

Cabelo longo: Nossa cobertura natural como a cobertura única

“Verso 15 tem sido grandemente mal entendido por muitos. Alguns tem sugerido que já que    a mulher o seu ‘cabelo lhe foi dado como cobertura’ – ‘cabelo lhe foi dado em lugar de véu’ não é necessário que ela tenha nenhuma outra cobertura. Mas tal ensinamento causa grave violência a essa porção da Escritura. A menos que se veja que duas coberturas são mencionadas neste capítulo, a passagem se torna irremediavelmente confusa”

 

A visão de que a cobertura de cabeça refere-se ao longo cabelo de uma mulher é uma crença popular defendida por muitos cristãos de hoje. Vem de 1 Coríntios 11: 14–15, que diz:

“Nem a própria natureza lhe ensina que se um homem tem cabelos compridos, isso é uma desonra, mas se uma mulher tem cabelos compridos, isso é uma glória para ela? Pois lhe são dados os cabelos para cobertura.” (1 Coríntios 11: 14–15)

Agora, ninguém contesta que nesses dois versículos Paulo está falando sobre comprimentos de cabelo. Isso está claro. Os homens devem ter cabelos curtos, e as mulheres devem manter os seus longos. O que é discutido é como essa passagem se relaciona com o restante do argumento de Paulo sobre cobertura. Conforme discutido no capítulo 4, esta passagem apela para o que a natureza nos ensina sobre os comprimentos de nossos cabelos como uma razão pela qual as mulheres devem usar uma cobertura artificial. No entanto, aqueles que adotam a visão de “cabelos longos” dizem que isso não é uma razão, mas uma passagem explicativa sobre o que é a cobertura. Isso mostra que Paulo estava preocupado com os comprimentos de cabelo o tempo todo. Vamos levar algum tempo para examinar seus argumentos.

Passagem Sem Tecido

Um dos principais argumentos para a visão de “cabelos longos” é que em 1 Coríntios 11 Paulo não diz às mulheres que usem uma cobertura artificial. Eles apontam que a palavra “véu” não é usada aqui. Isso é verdade, já que Paulo diz às mulheres para cobrirem a cabeça sem nunca lhes dizer o que usar como cobertura. Portanto, o argumento é, como no versículo 15, que o “cabelo comprido” de uma mulher é o que será uma cobertura para ela.

Antes de responder a essa afirmação, vamos primeiro olhar historicamente para essa interpretação e ver o que a igreja acreditou sobre esse tópico ao longo dos tempos.

Uma Nova Interpretação

Philip Brown II (PhD, Universidade Bob Jones) é um dos defensores mais proeminentes e articulados da visão de “cabelos longos”. Ele diz:

“No geral, os interpretes modernos se desviam pouco da identificação da cobertura que Paul exige como véu ou cobertura material até meados do século vinte. Embora a visão de que a cobertura que Paulo exigia ou proibia fosse em si mesma cabelos longos tivesse sido mantida popularmente por vários grupos ao longo do século vinte, Abel Isaakson [em 1965] foi o primeiro a oferecer à comunidade acadêmica por impresso um argumento extenso para essa posição.” 

Então, o Dr. Brown identifica o ponto de partida dessa visão (que ele próprio considera) como o século XX. Consegui traçar a visão um pouco mais longe até o final do século vinte,1) O primeiro defensor que pude encontrar foi Karl Christian Johann Holsten (1825–1897), um teólogo liberal alemão. Mais informações em http://www.headcoveringmovement.com/articles/where-did-the-long-hair-view-come-from.  mas o ponto é que a visão de “cabelos compridos” é uma nova doutrina. É diferente de como a igreja entendeu essa passagem por mil e novecentos anos. Embora a história da igreja não seja a autoridade final, nós devemos sempre ter cuidado com visões totalmente novas. Como diz o velho ditado: “Se é novo, provavelmente não é verdade.”

O atestado de que a cobertura da cabeça é um véu real é muito recente. Irineu (130-220 DC) foi um bispo e apologistas do início do cristianismo. Irineu (130-220 dC) foi um dos primeiros bispos e apologistas cristãos. Irineu cita 1 Coríntios 11:10 como “A mulher deve ter um véu sobre a cabeça, por causa dos anjos”. Observe que ele diz “véu” em vez de “autoridade”.

Isso nos mostra que Irineu entendeu esta seção das Escrituras como uma cobertura de tecido, não o cabelo comprido de uma mulher. Deve-se notar também que Irineu era cidadão romano e nativo de fala grega (o idioma em que Paulo escreveu). Então seria pouco provável que ele entendesse mal a escolha de palavras de Paulo, pois essa era sua área e idioma nativos. Outros pais notáveis da igreja que disseram que cobrir a cabeça de tecido foi o que Paulo ordenou inclui: Clemente de Alexandria (150–215 dC), Hipólito (170–236 dC), Tertuliano (aprox. 155–220 dC), João Crisóstomo (347 dC –407), Jerônimo (347–420 dC) e Agostinho (354–430 dC).

Uso do Grego

Em 1 Coríntios 11, o apóstolo Paulo usa algumas palavras diferentes para se referir à cabeça de alguém estando coberta ou descoberta. Por favor, me acompanhe enquanto fazemos um estudo sobre essas palavras. Será um pouco mais técnico, mas acho que você achará benéfico. Vou mostrar a você como as palavras gregas que Paulo usa para “cobrir” e “descobrir” são usadas em outros escritos. É assim que os estudiosos determinam o que as palavras antigas significam.

Você pode procurar a palavra em um léxico grego (um dicionário para palavras gregas) e ela indicará o que uma palavra significa. Mas quero mostrar como os léxicos surgem com suas definições. Então vamos fazer uma transição e observar o uso relevante dessas palavras em outros escritos gregos. Por relevante, quero dizer que eles precisam estar falando sobre uma cobertura para a “cabeça” e também precisam ter sido escritos perto de quando o apóstolo Paulo escreveu sua carta (aproximadamente 54 dC). Esse critério é importante, pois as palavras mudam de significado ao longo do tempo.

Kata Kephalē Echōn

As palavras gregas traduzidas “algo em sua cabeça” em 1 Coríntios 11: 4 são kata kephalē echōn. Kata é uma preposição que provavelmente indica uma direção descendente. Não é traduzido no NASB, entretanto eles adicionam a palavra “algo” para mostrar seu amplo escopo. Kephalē é um substantivo e é traduzido como “cabeça”. Por fim, echōn é um verbo que significa “tendo” e é traduzido nesta tradução como “dele”. A maneira como podemos determinar o que Paulo quis dizer com a frase é ver como ela é usada em outro lugar. Agora, essas palavras aparecem apenas aqui no Novo Testamento, mas há outros dois casos relevantes que devemos levar em consideração.

O primeiro uso é na Septuaginta, que é a tradução grega do Antigo Testamento. Esta foi a Bíblia usada pelos apóstolos. Em Ester 6:12, diz: “Mas Hamã correu para sua casa, de luto e com a cabeça coberta”. As palavras traduzidas como “cabeça coberta” são kata kephalē em grego. Essas são as palavras usadas em 1 Coríntios 11: 4. Esta é uma passagem que obviamente se refere a uma cobertura material da cabeça, porque você não pode crescer cabelos compridos enquanto corre para casa.

Outro uso notável dessas palavras é por Plutarco, que era historiador grego e cidadão romano. Ele também viveu durante os mesmos anos em que Paulo escreveu suas cartas. Plutarco, escrevendo sobre um homem com uma toga na cabeça, disse: “Ele estava andando com a toga cobrindo a cabeça [kata kephalē echōn]” (Regum 82.13). Esta é exatamente a mesma frase que Paulo usou em 1 Coríntios 11. O fato de Plutarco ser contemporâneo de Paulo, vivendo na mesma região e falando a mesma língua, significa que a maneira como ele usou as palavras é muito útil para comparação. Quando Plutarco quis falar sobre uma cobertura material da cabeça, ele usou kata kephalē echōn para descrevê-la.

Katakalyptō and Akatakalyptos

Enquanto o kata kephalē é usado apenas uma vez na passagem da coberta de cabeça, as palavras katakalyptō (cobertura) e akatakalyptos (descoberta) são usadas no total cinco vezes. Esta é a mesma palavra, mas a última está na forma negativa. Vamos também dar uma breve olhada em como essas palavras são usadas em outros lugares.

Ambas as palavras aparecem apenas no Novo Testamento em 1 Coríntios 11. Fora do Novo Testamento, ambas as palavras se referem consistentemente a uma cobertura material quando usada em referência à cabeça de alguém. O Dicionário Teológico do Novo Testamento confirma que “fora do NT [katakalyptō] é encontrado no sentido de ‘cobrir’ ou ‘cobrir a si mesmo’ ‘. Vamos agora examinar alguns dos usos relevantes dessas duas palavras.

Plutarco (46-120 dC) usa katakalyptō para falar de um costume local de casamento quando diz:
“Na Boeotia, é costume, quando cobrem a noiva virgem, pôr sobre sua cabeça uma grinalda de aspargos selvagens.”

No livro apócrifo de Susanna (século 1 a 2 aC), katakalyptō é usado para se referir à sua cobertura material. Diz:
“Agora Susanna era uma mulher de grande requinte e aparência bonita. Como ela foi coberta, os homens maus ordenaram que ela fosse revelada, para que se alimentassem de sua beleza.” (Susanna 31-32 RSV)

Philo (20 aC a 50 dC) falando sobre uma mulher acusada de adultério diz:
“E o sacerdote pegará a cevada e a oferecerá à mulher, e lhe tirará a túnica na cabeça, para que seja julgada com a cabeça nua, e privada do símbolo da modéstia, que todas aquelas mulheres que estão acostumadas a vestir completamente sem culpa. ” (Leis especiais, III, 56)

Então ele continua alguns parágrafos depois:
“Quando todas essas coisas estiverem preparadas previamente, a mulher com a cabeça descoberta [akatakalyptō tē kephalē], carregando a farinha de cevada na mão, como já foi especificado, deve avançar.” (Leis especiais, III, 60)

As palavras gregas usadas para “cabeça descoberta” são akatakalyptō tē kephalē, que é a escolha exata das palavras de Paulo em 1 Coríntios 11: 5.

Apenas para que não haja mal-entendidos, o katakalypto por si só não se refere exclusivamente a véus. Muito parecido com o verbo inglês “cover”, exige contexto para saber o que se entende. Para mostrar uma variedade de usos, no Septuaginta, o katakalypto descreve a água que cobre o mar (Habacuque 2:14), gordura que cobre partes de um animal (Levítico 4: 8) e palavras que estão ocultas (Daniel 12: 9). No entanto, quando katakalypto ou akatakalyptos são usados para se referir à cabeça humana, sempre se refere a uma cobertura de material. Toda vez. Como esse é o caso, fica claro que, quando Paulo falou de kata kephalē, katakalyptō ou akatakalyptos, seus leitores o entenderiam como se referindo a uma cobertura de tecido, não ao cabelo de alguém.

Peribolaion

Analisamos cinco das seis referências para “cobrir” e “descobrir”. E vimos que, quando Paulo se refere a “cobertura”, ele chama kata kephalē ou katakalypto e “descobrir” akatakalyptos. Agora, vejamos a última palavra grega traduzida como “cobertura”, que vem do versículo 15.

 “Nem a própria natureza lhe ensina que se um homem tem cabelos compridos, isso é uma desonra, mas se uma mulher tem cabelos compridos, isso é uma glória para ela? Pois o cabelo dela lhe é dado para uma cobertura [peribolaion].” (1 Coríntios 11: 14–15)

Na única passagem que realmente fala sobre os cabelos longos de uma mulher, Paulo diferencia entre isso e a cobertura pedida no restante do capítulo usando uma palavra grega completamente diferente. No versículo em que ele está claramente falando sobre cabelos, ele chama a cobertura de peribolaion, enquanto no resto do capítulo, quando ele fala sobre como as mulheres devem adorar, ele usa katakalypto. Então, se o versículo 15 era um verso explicativo e Paulo estava realmente falando sobre comprimentos de cabelo o tempo todo, ele não chamaria de katakalypto o cabelo comprido de uma mulher?

Alguns objetam que a razão da diferença seja porque o peribolaion é a primeira instância nesta passagem em que “cobertura” é referida como substantivo. Embora esse uso da gramática seja verdadeiro, deve-se notar que peribolaion é de um grupo de palavras completamente diferente. Se Paulo estivesse se referindo à mesma cobertura e quisesse mencionar a forma substantiva, ele provavelmente a chamaria de kalymma. Essa é a forma substantiva do mesmo grupo de palavras, e o próprio Paulo usa essa palavra em outra de suas cartas para se referir a um véu (ver 2 Coríntios 3: 12-16).

Portanto, embora as versões em inglês da Bíblia traduzam ambas as palavras como cobertura, Paulo diferencia as duas coberturas usando palavras gregas diferentes.

Em vez de uma cobertura?

O segundo argumento principal para a visão de cabelos longos vem da palavra anti em grego. Em 1 Coríntios 11:15, isso é traduzido como a palavra “para”, onde diz “seu cabelo é dado a ela para uma cobertura”. O argumento é que “para” é uma tradução ruim e deve ser traduzida como “no lugar de”. Então eles interpretariam essa passagem como dizendo que o cabelo de uma mulher é dado a ela em vez de uma cobertura de tecido para a cabeça. Ou seja, se ela tem cabelos compridos, não precisa de mais nada. Embora seja verdade que a preposição anti possa se referir à substituição, esse não é seu significado exclusivo. O léxico grego BDAG indica que “anti” tem vários tipos de significados “da substituição à equivalência”.

O Dr. Thomas Schreiner, professor de Interpretação do Novo Testamento, Seminário Teológico Batista do Sul, afirma:
A preposição anti em 11:15 não precisa se referir à substituição. Também pode indicar equivalência. Este último faz mais sentido no contexto.
Para provar que isso é verdade, deixe-me mostrar alguns outros exemplos em que anti não se refere à substituição:
João 1:16 diz: “Porque de sua plenitude todos temos recebido, graça sobre [anti] graça” (ESV).
Em Atos 12:23, Lucas diz. “Imediatamente um anjo do Senhor o golpeou porque [anti hos] ele não deu a Deus a glória.
Finalmente, em 1 Tessalonicenses 5:15, Paulo diz: “Veja que ninguém retribui a ninguém o mal pelo [anti] mal” (ESV).
Em cada um dos três exemplos apresentados, anti não é usado para indicar substituição.
Agora que analisamos os principais argumentos para a visão “cabelos compridos”, voltemos nossa atenção para algumas razões adicionais pelas quais vejo duas coberturas distintas nesta passagem.

Cabelo Curto sendo Encurtado

Se o cabelo comprido é a única cobertura mencionada neste capítulo, o versículo 6 tem um grande problema. Deixe-me mostrar o que eu quero dizer.
Se o cabelo comprido fosse o mesmo que ser coberto de acordo com Paulo, o que seria descoberto? Significaria ter cabelo curto, certo? O oposto de coberto é descoberto, e o oposto de cabelo comprido é cabelo curto. Portanto, se é isso que Paulo tinha em mente, vamos fazer uma substituição de palavras no versículo 6. Onde vemos a palavra “cobrir a cabeça”, vamos substituí-la por “ter cabelos compridos”.

“Se uma mulher não [tem cabelos compridos], deixe-a também ser cortado o seu cabelo.” (1 Coríntios 11: 6)

Vamos ver novamente em outra tradução da Bíblia.

“Porque, se uma esposa não tem [tem cabelos compridos], então ela deve cortar o seu cabelo curto.” (1 Coríntios 11:6 esv)

Se uma mulher se recusar a ter cabelos longos, ela deve cortá-los curtos? Mas ela já teria cabelo curto! Este argumento não faz nenhum sentido. Paulo deve estar falando sobre uma cobertura artificial.

Alguns então se opõem à tradução da ESV de “cortar curo”. Eles entenderiam “cortar fora” (NASB) como sinônimo de raspado, tornando esse argumento menos absurdo. O argumento de Paul seria então transformado em “se uma mulher tem cabelo curto, ela deve raspar tudo”. O problema com esse argumento é que “cortar fora” não pode significar raspado nesse contexto.

A palavra grega traduzida como “cortar fora” é keirō. Esta palavra é usada novamente mais tarde nesta mesma passagem, e é diferenciada de “raspado”, que é a palavra grega xuraō.

Aqui está o que diz: “mas se é uma vergonha para uma mulher ter o seu cabelo cortado fora [keirō] ou a sua cabeça raspada [xuraō]”. Percebeu? Ele disse “ou” raspada. Portanto, enquanto “cortar” [keirō] pode ser usado para descrever uma cabeça raspada, Paulo não poderia ter isso em mente aqui. Se entendermos dessa maneira, o argumento dele se torna “se é vergonhoso para uma mulher ter o cabelo [raspado] ou a cabeça raspada“. Raspado ou Raspado? Mais uma vez isso simplesmente não faria sentido.

Nem Todo Tempo

Paulo se preocupa em cobrir apenas durante períodos específicos. Ele diz:

Todo homem que tem algo em sua cabeça enquanto ora ou profetiza desonra sua cabeça. Mas toda mulher que tem a cabeça descoberta enquanto ora ou profetiza desonra sua cabeça.” (1 Coríntios 11: 4-5)

Ele deixa claro que não está falando sobre o que acontece o tempo todo, mas está falando sobre o que acontece em um momento específico. É sobre o que se veste quando se envolve em atos de adoração. Portanto, o próprio fato de ele limitar a cobertura a um momento específicos indica que ele tem uma cobertura removível em mente. Isso é algo que você pode colocar e tirar, não o que é permanente como o nosso cabelo.

Gloria Velada

No versículo 15, o cabelo comprido de uma mulher é chamado de sua glória, enquanto anteriormente, no versículo 10, Paulo diz que uma mulher deve usar um “símbolo de autoridade” em sua cabeça. O fato de esses dois propósitos serem antitéticos mostra que mais de uma cobertura está sendo discutida. Cabelos longos são a glória de uma mulher, enquanto o véu encobre a glória e é um símbolo de autoridade. Essas não são a mesma coisa.

O estudioso de Grego Dr. Daniel Wallace diz sobre este ponto: “Os versículos 10 e 15 teriam que dizer a mesma coisa se o cabelo comprido fosse o mesmo que cobrir a cabeça. Mas isso dificilmente pode ser o caso. No v. 10, uma mulher é obrigada a usar um ‘símbolo de autoridade’. Esse símbolo representa sua submissão, não sua glória. . . Uma tradução literal seria: ‘é uma glória para ela’ ou ‘uma glória que se acumula para ela’ ou ‘para sua vantagem’. Com certeza esse não é o objetivo do v. 10!”

Conclusão

Enquanto afirmamos que o cabelo comprido de uma mulher é sua cobertura natural, vemos duas coberturas diferentes sendo discutidas neste capítulo. Um deles é o cabelo dela, que é natural, permanente e uma glória para ela (1 Coríntios 11: 14–15). O outro seria uma cobertura de tecido artificial, removível (1 Coríntios 11: 5) e um símbolo de autoridade (1 Coríntios 11:10). Uma mulher deve usar essa última quando “orar e profetizar”.

References

1.
  O primeiro defensor que pude encontrar foi Karl Christian Johann Holsten (1825–1897), um teólogo liberal alemão. Mais informações em http://www.headcoveringmovement.com/articles/where-did-the-long-hair-view-come-from.

Because of the Angels

Head Covering Sermon

Preacher: Pastor Bryan Peters | Sermon Length: 3 Part Series | Preached: September 2019

Rev. Bryan Peters is pastor of the Presbyterian Reformed Church of Columbus, IN.

SERMON COORDINATOR NOTES: Pastor Bryan Peters tackles what is quite possibly the most difficult portion of this passage, how to properly interpret the phrase “because of the angels.” By looking at the Scriptural proof of the angelic hosts accompanying the public worship of God, Peters gives an exposition on the cultural transcendent principle of the head covering.

>> In addition to streaming this sermon above, you can also download it.
Part 1 Part 2 Part 3

Heard a good sermon on head covering or biblical manhood/womanhood? Tell us about it here.

Send this to a friend