fbpx

Navigate / search

Capítulo 2: Tradição Apostólica: Sustentando o que nos foi entregue

“Quando os apóstolos falam sobre tradição… eles não estão falando sobre tradições humanas, eles estão falando sobre aquilo que foi entregue pelos apóstolos à Igreja. Estas não eram tradições que deveriam ser negociadas, pois eram tradições de Deus.” 1) R.C. Sproul, “To Cover or Not To Cover” (das séries “The Hard Sayings of the Apostles”), http://bit.ly/sproulcover.

Dr. R.C. Sproul Sr., fundador do Lingonier Ministries

 

Quando ouvimos a palavra “tradição”, nós geralmente pensamos que se refere a invenções humanas que não são encontradas na Escritura. As tradições podem ser benéficas (ou pelo menos não prejudiciais), mas porque Deus não as ordena, muito menos nós devemos ordená-las. Quando se trata do entendimento da cobertura feminina, nós precisamos questionar: é uma tradição ou uma ordenança? Vamos examinar nosso primeiro verso:

De fato, eu vos louvo porque, em tudo, vos lembrais de mim e retendes as tradições assim como vo-las entreguei. 1 Coríntios 11:2

Apesar das “tradições” não serem explicitamente definidas, nós podemos seguramente concluir que a cobertura feminina é uma delas. Por que nós acreditaríamos nisto? O ensino sobre a cobertura da cabeça (1 Coríntios 11:3-16) está entre duas declarações contrastantes. No verso 2, Paulo diz “eu vos louvo”, e logo depois introduz o assunto sobre a cobertura da cabeça. Já no verso 17, ele diz “não vos louvo”, e em seguida adentra no ensino sobre a Ceia do Senhor e dons espirituais (os quais estavam sendo usados inapropriadamente). A estrutura da sentença de 1 Coríntios 11 usa os versos 2 e 17 como títulos dos textos.

“Eu vos louvo” (1 Co 11:2) “Eu não vos louvo” (1 Co 11:17)
Cobertura da cabeça (1 Co 11:2-16) A Ceia do Senhor (1 Co 11:17-34)

Dons Espirituais (1 Co 12:1- 14:40)

O que vem imediatamente depois de cada um desses versos é o ensino sobre as práticas de cada tópico; o primeiro para instruir (quando ele os louva) e o último para corrigir (quando ele não os louva). Se a cobertura da cabeça não estivesse sendo praticada pelos coríntios, eles teriam sido abordados pelo tópico “eu não vos louvo”. Portanto, o caso não era de que os coríntios não estavam praticando a cobertura da cabeça. Nós sabemos que eles estavam pois Paulo disse “permanecei firmes” a isso. O que faltava aos coríntios era o “entendimento”, o que significa que eles precisavam de mais ensino sobre esse assunto.

Agora antes que você dispense a cobertura feminina como uma invenção humana, vamos deixar que a Bíblia nos conceda nossa definição de tradição. A palavra grega usada é “paradosis”, que é usada no Nova Testamento trinta vezes. Ela é usada oito vezes por Jesus e toda vez que ele usava, se referia claramente a “tradições humanas”. Paulo também usa o termo desta forma, mas não exclusivamente com esse significado. Às vezes ele usa em referência ao ensino apostólico autoritativo. Vamos verificar duas situações nas quais ele faz isso:

Assim, pois, irmãos, permanecei firmes e guardai as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa. 2 Tessalonissenses 2:15

Nós vos ordenamos, irmãos, em nome do Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo irmão que ande desordenadamente e não segundo a tradição que de nós recebestes 2 Tessalonissenses 3:6

Você percebeu o padrão? Quando Paulo usa “paradosis” para se referir ao ensino apostólico, ele diz “isto vem de nós”. Então como nós sabemos se a cobertura da cabeça é uma tradição humana ou uma tradição dos apóstolos? Paulo não nos deixa especular. Em 1 Coríntios 11:2 ele diz “Eu vo-las [as tradições] entreguei”. Isto significa que a prática da cobertura da cabeça é um ensino apostólico autoritativo.

Para ajudar a visualizar isso, imagine-se abrindo uma correspondência. Você recebe dezenas de cartas diferentes, cada uma entregue a você. Uma em particular chama a sua atenção porque vem da Receita Federal. Você dá uma atenção especial a esta carta pela importâcia do remetente. Você entende que o que eles dizem na carta tem autoridade, pois lhes foi dada pelo governo. Enquanto você lê, você percebe que eles estão te dando instruções para seguir. Isto não pode ser ignorado.

Da mesma forma, essa carta aos Coríntios é importante porque foi enviada por um apóstolo com instruções para a igreja se apoiar. Este apóstolo está revestido de autoridade por Jesus para estabelecer o fundamento da igreja (Efésios 2:20). Mais do que isso, quando ele fala pela Escritura, Deus está falando (2 Timóteo 3:16).

Imagine-se abrindo a carta de Paulo pela primeira vez. Você reconhece sua importância e começa a lê-la. Ele te diz nesta carta que a razão para tê-la escrito a você é para que você tivesse o “entendimento” sobre a doutrina da cobertura da cabeça. Ele quer que você conheça o que símbolo significa, o porquê as igrejas o praticam e o que o ignorar dessas instruções comunica sobre nós. Você também vê que ele nos louva se nós “permanecemos firmes” a ensinos como este. Vamos continuar examinando a carta do apóstolo juntos para que saibamos tudo que ele quer que entendamos. Nesse próximo capítulo nós vamos observar o fundamento desse símbolo, que pertence à ordem da criação.

References

1.
 R.C. Sproul, “To Cover or Not To Cover” (das séries “The Hard Sayings of the Apostles”), http://bit.ly/sproulcover.

Head Coverings: Counter-Cultural Christianity

Preacher: George Mayes | Sermon Length: 1 hr 6min | Preached: Jan 15, 2017

George-Mayes

George has served in various ministerial roles across Oklahoma since 2003. He is a graduate of both Oklahoma Baptist University with a BA in English Literature (2003) and The Southern Baptist Theological Seminary in Louisville, Kentucky with an MDiv in Christian Ministry (2015). He has served as senior pastor of Northwest Baptist Church since October 2015. In 2004 George married his college sweetheart, Julia and they have three children: Rolen (9), Abigail (3), and Phinehas (2). George is an avid reader, movie-lover, and student of the Bible. He is committed to expository preaching, the 5 “solas” of the Protestant Reformation, and while not an official Northwest Baptist statement of belief, the pastor also holds to the 1858 Southern Baptist Abstract of Principles.

 

>>> In addition to streaming this sermon or watching it above, you can also download it.

David Gooding Quote Image #3

David Gooding Quote Image #3

Source: David Gooding – Symbols of Headship and of Glory

If Paul appeals to the Creation Order, why didn’t Eve wear a Head Covering?

Why didn’t Eve wear a Head Covering?
The Objection: You say that Paul appeals to the creation order in 1 Corinthians 11 and I agree that it appears that way. The thing is, if that is the case, where was Eve’s head covering? Genesis 2 says she was naked, and not ashamed. And you can’t turn around and say that it only began after the Fall, because then it wouldn’t be a Creation mandate. How would you respond to such an argument?

In 1 Corinthians 11, the Apostle Paul grounds his argument for head covering in the pre-fall creation order. This is one of the strongest arguments for why veiling is not a cultural practice but rather is something that is to be upheld by all Christians. In making a distinction between the principle (biblical manhood and womanhood) and the symbol (head covering), some hold that only the principle needs modern affirmation. The symbol is seen as a cultural practice that pointed to proper gender roles in the first century, but that has no meaning today. Many complementarian theologians arrive at this conclusion because of a wrong expectation of continuity in practice. Meaning if the veil was truly grounded in the creation order, then not only would Eve have worn it before the fall, but also every godly woman throughout biblical history.

Head covering is not a practice that was required under the Old Covenant (though many women did cover throughout this time). It is only a requirement for those under the New Covenant (like us). So let’s first state up front that I agree that head covering was not supposed to be practiced in continuity from Eve onward. But that does not deal a death blow to the creation order argument. My position is that God has taken something common (a covering) and has infused it with creation order meaning. So he has set up a brand new symbol which he designed and gave meaning to, and then had His apostles deliver it to the churches for them to practice. This is not an anomaly as God has always been about creating symbols to visually teach different truths. Many of these symbols (like head covering) were only to be practiced under one covenant. For example, the sacrifices and the feasts (Col 2:16-17) were only to be practiced under the Old Covenant whereas Baptism and the Lord’s Supper are only for the new covenant. Read more

Covering Testimony: Anna Brown

Head Covering Testimonies

Name: Anna Brown | Age: 30 | Location: Marietta, Georgia (USA) | Starting Covering: 5 years ago


Anna Brown Covering Testimony

1) Introduce yourself to our readers.

My name is Anna and I’m married to my wonderful husband Tyler. As soon as we got married I quit my job and became a stay at home wife. After a long time of trying and prayer the Lord finally blessed us with a baby girl in July 2016. I enjoy reading, mentoring younger women, and going for long walks with my dogs.

2) Where do you attend church? Tell us a little bit about it. Do others practice headcovering there?

We started attending a Plymouth Brethren assembly in November of 2016, those are known to be headcovering churches. However, for years I went to non-headcovering churches and was usually the only one that would use veil during worship. Read more

Send this to a friend